Economia Notícias

PIB revisado do Japão cai menos que o esperado no 1º trimestre

©Stockvault

A melhora na leitura revisada reduz a preocupação com o risco de recessão, à medida que a vacinação começa a acelerar no país.

A economia japonesa encolheu menos do que a leitura preliminar no período de janeiro a março, diminuindo a preocupação com o risco de uma recessão, à medida que o país luta por mais uma rodada de restrições para conter o coronavírus, informou hoje (8) a agência Bloomberg.

O Produto Interno Bruto (PIB) contraiu 3,9% em termos anualizados, informou o Gabinete do Governo nesta terça-feira. O número revisado é melhor do que a leitura preliminar de contração de 5,1%, mostrando que a terceira maior economia do mundo resistiu à pandemia de coronavírus no inverno em melhor forma do que o governo estimou anteriormente.

Na comparação com o trimestre anterior, a leitura revisada registrou queda de 1,0% no no período de janeiro-março, contra uma retração preliminar de 1,3%.

Com o mais recente estado de emergência no Japão, que foi prorrogado para durar até meados de junho, cerca de um mês antes do início das Olimpíadas de Tóquio, os economistas estavam analisando o relatório do PIB em busca de quaisquer sinais de fraqueza extra que indicariam um risco elevado de outra contração neste trimestre.

“O ritmo de vacinação está mais rápido do que o esperado e isso está aumentando a chance de uma recuperação robusta a partir do terceiro trimestre”, disse disse o economista Yoshiki Shinke, do Dai-Ichi Life Research Institute.

Dados separados mostraram que os salários aumentaram em abril no ritmo mais rápido desde 2018.

“A revisão em alta maior do que o esperado do PIB do primeiro trimestre do Japão parece boa por fora, mas – com base na composição – é fraca por dentro. Um fator importante por trás da menor contração em relação à leitura preliminar foi um aumento no estoque privado. Isso pode diminuir no 2º trimestre – tornando uma recessão mais provável”, disse o economista Yuki Masujima, da Bloomberg.

Desde o início do ano, a recuperação do Japão foi interrompida por declarações de emergência intermitentes para tentar conter surtos de Covid-19.

A liderança do primeiro-ministro Yoshihide Suga andou na corda bamba, usando restrições estritamente direcionadas a restaurantes e bares para conter os recentes aumentos de casos, mas permitindo que a maioria dos outros negócios seguisse os trabalhos normalmente.

Essa abordagem evitou o colapso da economia como no ano passado, mas também não conseguiu conter a pandemia. Enquanto isso, a campanha de vacinação, que só começou a acelerar nas últimas semanas, permitiu que a crise se arrastasse, mesmo que os números de casos ainda estejam muito abaixo dos níveis dos Estados Unidos ou da Europa.

Exportações e gastos das famílias

Mas, mesmo enquanto a luta do Japão contra o vírus se arrasta, o relatório de terça-feira provavelmente não mudou o consenso entre os analistas de que a economia vai conseguir manter o crescimento neste trimestre. Também há razões para ver uma recuperação mais rápida decolando novamente assim que as restrições de vírus forem suspensas.

As rápidas recuperações nos EUA e na China estão alimentando as exportações japonesas, com a produção industrial doméstica em abril atingindo o maior nível desde o aumento do imposto sobre vendas em 2019.

Os gastos das famílias, que vêm subindo mês a mês desde fevereiro, mostram uma recuperação do apetite por bens de consumo duráveis, mesmo que os gastos com entretenimento e outros serviços estejam previsivelmente atrasados. Isso sugere uma base sólida de demanda do consumidor que pode sustentar o crescimento assim que a pandemia finalmente acabar.

Casos de Covid-19 em queda

O número de infecções continua caindo em meio a restrições em razão do estado de emergência. Enquanto isso, os casos de Covid-19 estão diminuindo e a campanha de vacinação finalmente começou a engrenar. Mais de 17 milhões de doses foram administradas até agora, em comparação com apenas um milhão no final de março.

“Maio e junho provavelmente serão ruins, mas o consumo provavelmente não piorará muito a partir do primeiro trimestre”, disse o economista Takeshi Minami do Instituto de Pesquisa Norinchukin.

“Acredito que estaremos de volta a um território positivo no segundo trimestre”, disse.

== Mundo-Nipo (MN)