Economia

Japão registra déficit comercial pelo 26º mês seguido

Apesar do saldo negativo, as importações recuaram pela 1ª vez em três meses.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo

A balança comercial do Japão registrou um déficit de 948,5 bilhões de ienes em agosto, encolhendo 2,4% na comparação anual, mostraram dados do governo nesta quinta-feira (18). Apesar da retração anual, trata-se do 26º mês consecutivo de saldo negativo, o período mais longo desde que dados comparáveis ​​se tornaram disponíveis em janeiro de 1979. Em julho, o país teve um déficit de 964,0 bilhões de ienes, recuo de 6,6% na comparação anual.

O resultado veio abaixo do projetado por economistas, que esperavam um saldo negativo mediano de 1 trilhão de ienes no período.

De acordo com dados preliminares do Ministério das Finanças, as exportações em agosto caíram 1,3% ante o mesmo mês do ano anterior, para 5,706 trilhões de ienes, após alta de 3,9% em julho. “A queda é reflexo da fraca demanda por automóveis e componentes orgânicos”, diz o ministério.

As importações recuaram pela primeira vez em três meses, totalizando 6,654 bilhões de ienes em agosto, ou seja, retração de 1,5% ante o mesmo mês em 2013. Em julho, houve um avanço de 2,3% após forte alta de 8,4% em junho, ambos os meses na mesma base de comparação. Segundo o ministério, essa retração é resultante de uma menor demanda por energia elétrica no mês passado.

O Japão tem visto um forte crescimento nas importações de hidrocarbonetos para compensar a paralizações de suas usinas nucleares após o acidente no complexo Fukushima Daiichi em 2011, que fizeram com que o país, tradicionalmente uma potência exportadora, acumulasse quase dois anos de saldos comerciais negativos. O Japão não registra um superávit na balança comercial desde junho de 2012.

== Kyodo

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •