Economia

Fitch rebaixa rating do Japão e alerta sobre política fiscal

O corte é em razão de o governo ter falhado em adotar medidas no orçamento deste ano para compensar o atraso no aumento do imposto.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo com Agências

A agência Fitch Ratings informou nesta segunda-feira (27) que rebaixou o rating de crédito do Japão em um degrau, de A+ para A, que é cinco degraus abaixo do máximo “AAA”. A perspectiva é estável, mas agência aponta que o corte é em razão de o governo do país ter falhado em adotar medidas no orçamento deste ano fiscal para compensar um atraso no aumento do imposto sobre vendas, previsto inicialmente para acontecer em outubro, de 8% para 10%.

O rating de bônus sem garantia do país também foi reduzido, de A+ para A. A perspectiva dos ratings é estável. Além disso, a agência de classificação de risco cortou o teto país do Japão, de AA+ para AA, e o rating de curto prazo em moeda estrangeira, de F+1 para F1.

Um plano para reduzir a taxa de imposto corporativo também eleva a incerteza sobre se o governo vai gerar receita suficiente para lidar com o peso da dívida, completou a Fitch em comunicado.

A decisão da Fitch segue-se a um rebaixamento similar da Moody’s Investors Service no final do ano passado e pode pressionar o governo a adotar medidas duras em um plano de disciplina fiscal que está previsto para em algum momento ao redor de junho.

“O governo deve apresentar uma nova estratégia fiscal no verão de 2015”, disse a Fitch em comunicado. “Os detalhes da estratégia serão importantes, mas a força do compromisso do governo para implementá-lo será ainda mais importante e só vai se tornar mais claro ao longo do tempo.”

Em dezembro, a Moody’s rebaixou o Japão para “A1”, que é um nível acima do rating da Fitch, devido ao atraso no aumento do imposto sobre vendas.

(Com informação das agências ‘Estado’ e ‘Reuters’)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •