Meio ambiente e Energia

Retirada de acusações sobre crise nuclear em Fukushima gera protestos em Tóquio

Os manifestantes recorrem da decisão e pedem que os responsáveis pelo desastre sejam apontados e julgados.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Um grande número de manifestantes se reuniu, neste sábado (1), em Tóquio para protestar contra a decisão do Ministério Público do Japão de retirar as acusações sobre a crise nuclear de Fukushima. Três anos após o desastre, ninguém foi apontado como responsável ou punido.

Um relatório parlamentar afirma que a crise em Fukushima não foi causada apenas pelo tsunami, mas também por falhas humanas. No entanto, em setembro, promotores japoneses decidiram não acusar ninguém por negligência.

Os manifestantes recorrem da decisão e pedem que os responsáveis pelo desastre sejam apontados e julgados. Oficialmente, não há nenhuma morte registrada decorrente do vazamento de radiação da usina nuclear. De acordo com os manifestantes, milhares de pessoas morreram durante a evacuação da região ou cometeram suicídio com medo dos possíveis efeitos da radiação.

Dados oficiais divulgados na semana passada mostram que 1656 pessoas morreram na província após o desastre. Outras dezenas de milhares de pessoas, que tiveram casas ou fazendas atingidas pela radiação da usina, permanecem impedidas de retornar para a região ao redor da planta de Fukushima.

Além disso, cerca de 15 mil japoneses entraram com uma queixa criminal contra o governo japonês e contra a Companhia de Energia Elétrica de Tóquio, a Tepco, operadora da usina.

“Há muitas vítimas do acidente, mas não há ninguém apontado como agressor”, afirmou a organizadora do protesto, Ruiko Muto. “Estamos determinados a continuar contando nossas experiências como vítimas e a buscar a verdade do acidente. Queremos evitar uma repetição desse acidente no futuro”, concluiu.

Fonte: Dow Jones Newswires.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •