Meio ambiente e Energia

Coreia do Sul proíbe importação de pescados do leste e nordeste do Japão

Seul destacou que a medida será aplicada independentemente do fato de materiais radioativos serem detectados ou não nas oito províncias japonesas.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Coreia do Sul proíbe importações de pescados do Japão (Imagem: NHK/Reprodução)

Seul destacou que a medida será aplicada independentemente do fato de materiais radioativos serem detectados ou não nas oito províncias (Imagem: NHK/Reprodução)

A Coreia do Sul decidiu proibir todas as importações de pescados de oito províncias da região leste e nordeste do Japão, principalmente da área de Fukushima, tendo em vista o vazamento de água contaminada na danificada usina de energia nuclear de Fukushima Daiichi.

O governo sul-coreano anunciou na sexta-feira (6), que a proibição entrará em vigor na próxima segunda-feira. As autoridades dizem que estão atendendo às crescentes preocupações dos consumidores a respeito da contaminação radioativa no Japão.

Seul destacou que a medida será aplicada a todos os produtos marinhos de oito províncias, independentemente do fato de materiais radioativos serem detectados ou não nos mesmos.

As oito províncias são Fukushima, Miyagi, Iwate, Aomori, Chiba, Ibaraki, Tochigi e Gunma.

A Coreia do Sul afirmou ainda ter solicitado às autoridades japonesas que forneçam detalhes rápidos e exatos sobre a condição do vazamento da água contaminada da usina.

Atualmente, a Coreia do Sul proíbe apenas a compra de 50 tipos de produtos marinhos dessas oito regiões devido às preocupações com a contaminação radioativa, depois que a usina nuclear de Fukushima foi seriamente danificada por um tsunami gerado pelo terremoto que quase devastou o nordeste do Japão em março de 2011, desencadeando a pior crise nuclear depois de Chernobyl.

As informações são da emissora NHK e da agência Kyodo.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •