Meio ambiente e Energia

Especialistas estrangeiros prestarão assistência na desativação de usina em Fukushima

Dentre os consultores estrangeiros encontra-se Luis Echavarri, diretor-geral da OCDE.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Já se passaram quase três anos desde o terremoto seguido de tsunami que quase devastou o nordeste japonês em março de 2011, atingindo também uma das duas usinas na província de Fukushima, o que gerou a pior crise nuclear desde Chernobyl. Desde então, o país vem lutando não só para reconstruir as áreas atingidas, mas também para desativar a danificada usina nuclear Fukushima Daiichi. Para tanto, o Instituto Internacional de Pesquisas para Desativação Nuclear foi criado no último ano com intuito de apoiar o governo na desativação de reatores danificados.

O instituto, que é composto pela Companhia de Energia Elétrica de Tóquio (Tepco, na sigla em inglês), operadora da usina nuclear Fukushima Daiichi, e outras usinas, bem como fabricantes de equipamentos para usinas nucleares, anunciou que vai requisitar consultoria de três especialistas não-japoneses para ajudar no descarte dos reatores danificados da usina em Fukushima.

A organização vem buscando assistência tecnológica tanto no Japão como no exterior. Dentre os três consultores estrangeiros encontra-se Luis Echavarri, diretor-geral da Agência de Energia Nuclear da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Echavarri afirma que um plano claro deve ser elaborado e é preciso que todo o processo de desativação seja transparente.

Sob o plano atual, a remoção de resíduos de combustível nuclear dos reatores será iniciada no primeiro semestre de 2020. O modo como a operação será conduzida ainda deve ser discutido, pois ainda não há informação exata sobre a situação do combustível danificado que demandará tecnologia sofisticada para que seja removido.

As informações são da emissora pública NHK.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •