Meio ambiente e Energia

Tribunal proíbe reinício de reatores em usina nuclear na região central do Japão

A decisão é a primeira do gênero contra o reinício das operações de uma instalação nuclear.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

O Tribunal Distrital de Fukui emitiu uma ordem judicial nesta quarta-feira (21) proibindo que a Companhia de Energia Elétrica de Kansai (Kepco, na sigla em inglês) reinicie dois reatores na usina nuclear de Oi, localizada na província de Fukui, região central do Japão.

 

Usina nuclear Oi (Foto: Kyodo)

Em setembro do ano passado, os reatores 3 e 4 da usina foram desligados para inspeções regulares (Foto: Kyodo)

 

A decisão é a primeira do gênero contra o reinício das operações de uma usina nuclear desde o acidente nuclear ocorrido na província de Fukushima, em março de 2011, quando os reatores da usina Fukushima Daiichi explodiram após serem atingidos por um gigantesco tsunami – gerado pelo terremoto de 9 graus de magnitude que devastou grande parte do nordeste japonês.

Em setembro do ano passado, os reatores 3 e 4 do complexo nuclear Oi foram desligados para inspeções regulares. Desde então, ficaram submetidos à análise de segurança da Agência Nuclear Japonesa.

Moradores locais entraram com um processo para que os reatores permaneçam desligados. Segundo eles, os reatores não possuem sistemas de refrigeração de emergência para lidar em casos de possíveis tremores. A Kepco, no entanto, tem insistido que problemas de segurança são inexistentes.

No processo judicial, consta também que um grupo de 189 pessoas de Tóquio, a prefeitura de Fukui e 20 outras prefeituras alegaram que os reatores 3 e 4 da central nuclear Oi retomou as operações comerciais em agosto de 2012 sob as normas de “segurança provisórias”, considerando que seu reinício ocorreu de forma irregular.

(Do Mundo-Nipo com informações da NHK News e Agência Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •