Japão condena ação da Rússia como violação da soberania da Ucrânia

Premiê japonês diz que “está monitorando a situação com séria preocupação, e que o “Japão tomará decisões específicas contra a Rússia”.
Primeiro ministro japones Fumio Kishida em 22 02 2022 Foto Kyodo 900x600 1
©Kyodo

O primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, condenou o reconhecimento da Rússia envolvendo a independência de duas regiões separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia como uma violação da soberania do país, bem como do direito internacional e de um acordo de paz no passado.

“A série de ações da Rússia viola a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, que nunca toleramos e criticamos fortemente”, disse Kishida a repórteres na terça-feira (22).

Primeiro ministro japones Fumio Kishida na coletiva em 22 02 2022 Foto Kyodo
Fumio Kishida deu uma coletiva à imprensa em Tóquio na terça-feira (22) para condenar a ação da Rússia contra a Ucrânia| Kyodo

O ministro das Relações Exteriores, Yoshimasa Hayashi, disse em entrevista coletiva que Tóquio trabalhará com a comunidade internacional, incluindo o G7 (Grupo dos Sete países mais industrializados do mundo) para organizar uma “resposta dura” à Rússia, “incluindo sanções”.

As declarações vieram depois que o presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu na segunda-feira (21) as duas regiões separatistas pró-Moscou de Donetsk e Luhansk como independentes e ordenou que tropas fossem enviadas para “supostas” missões de “manutenção da paz”, em um movimento que pode abrir caminho para a Rússia invadir o território vizinho.

Logo após o anúncio de Moscou, os Estados Unidos e a União Europeia rapidamente adotaram sanções econômicas à Rússia, como a proibição de todos os novos investimentos, comércio e financiamento para as duas regiões ucranianas.

“Vamos monitorar de perto como a situação se desenvolve com séria preocupação”, disse Kishida, acrescentando que o Japão tomará “decisões específicas enquanto trabalha em estreita colaboração com a comunidade internacional” sobre como acompanhar as nações ocidentais.

O líder japonês disse ainda que os últimos movimentos de Moscou vão “contra o acordo de cessar-fogo de Minsk” assinado pelas forças do governo ucraniano e separatistas pró-Rússia.

O acordo, que pedia a retirada de armamento pesado por ambos os grupos e a concessão de status especial para áreas do leste da Ucrânia controladas pelos separatistas, foi alcançado após a anexação da Crimeia pela Rússia no sul da Ucrânia em 2014, ano em que Japão impôs novas e pesadas sansões contra a Rússia.

Hayashi se recusou a dizer se o governo consideraria a entrada das tropas russas no país como uma invasão da Ucrânia se isso acontecer, dizendo que não pode responder a uma pergunta hipotética.

O Japão tem intensificado a diplomacia sobre a crise ucraniana nos últimos dias. Na semana passada, Kishida falou por telefone com seu colega britânico Boris Johnson e disse a Putin e ao presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy separadamente que uma solução diplomática é importante.

Kishida conversou por telefone com o chanceler alemão Olaf Scholz na terça-feira e condenou as medidas russas como “totalmente inaceitáveis”, pois os atos minam a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e violam o direito internacional.

Os líderes concordaram durante a conversa de 30 minutos que seguirão os desenvolvimentos sobre a Ucrânia com “séria preocupação” e continuarão a coordenar de perto, disse o Ministério das Relações Exteriores do Japão.

A Alemanha é a presidente do G7 este ano e uma reunião de cúpula virtual está marcada para quinta-feira. A intenção da reunião é discutir a crise e mostrar uma frente unida.

Cúpula das Relações Exteriores do G7

No sábado, Hayashi participou da cúpula dos ministros das Relações Exteriores do G7 em Munique, na qual eles alertaram que a Rússia incorreria em “custos severos e sem precedentes” em caso de mais agressão contra a Ucrânia.

Os ministros da Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos, bem como da União Europeia, chamaram o destacamento militar “não provocado e injustificado” de Moscou de um “desafio à segurança global e à ordem internacional”.

== Mundo-Nipo (MN)
Com Kyodo News.

Total
17
Shares
Previous Article
Principe Hisahito aos 15 anos Foto Distribuicao Agencia da Casa Imperial 900x600 01

Príncipe Hisahito quebra tradição educacional da casa imperial

Next Article
Paciente com Covid 19 sendo transportado para o hospital em Toquio em fevereiro de 2022 Foto Reproducao Kyodo 900x600 1

Japão tem novo recorde diário de mortes por Covid-19

Related Posts