Notícias Política

Biden nomeia ex-assessor de Obama como embaixador do Japão

©Reprodução/AP

Rahm Emanuel terá a tarefa de fortalecer a aliança bilateral com o Japão em meio à crescente assertividade da China.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse na sexta-feira que nomeará Rahm Emanuel, que trabalhou como assessor do ex-presidente Barack Obama, como embaixador dos EUA no Japão, buscando preencher um cargo diplomático importante que está vago há cerca de dois anos.

Biden também escolheu Nicholas Burns, ex-diplomata e atualmente professor da Universidade de Harvard, como embaixador dos Estados Unidos na China.

Nomeações exigirão a aprovação do Senado

Se confirmado, Emanuel, um ex-congressista de 61 anos conhecido por seu estilo abrasivo e seus estreitos laços com Biden, ex-vice-presidente de Obama, terá a tarefa de desempenhar um papel fundamental no fortalecimento da aliança bilateral em meio à crescente assertividade da China.

Emanuel foi chefe de gabinete de Obama na Casa Branca de 2009 a 2010 antes de se tornar prefeito de Chicago por dois mandatos, de 2011 a 2019. Contudo, ele decidiu não buscar outro mandato depois de enfrentar críticas sobre a manipulação de um tiro fatal em um adolescente negro por um policial branco em 2014.

Um atraso na liberação do vídeo de Laquan McDonald, de 17 anos, que aparecia no vídeo fugindo da polícia quando foi baleado 16 vezes, gerou críticas de que Emanuel estava envolvido em um suposto “encobrimento” de o incidente.

Democratas e organizações de esquerda citaram o histórico de governo de Emanuel para questionar se ele está qualificado para o cargo de embaixador ou qualquer outro cargo de destaque no governo Biden, que enfatiza o combate ao racismo.

“O histórico péssimo de Rahm Emanuel como prefeito de Chicago o desqualifica para representar os Estados Unidos em uma capital estrangeira”, disseram grupos, incluindo o de esquerda RootsAction, em um comunicado conjunto divulgado em meados de março, quando alguns meios de comunicação noticiaram os planos de nomeação.

Em novembro do ano passado, quando surgiram especulações sobre as chances de Rahm Emanuel de conseguir um cargo no Gabinete, o membro da Câmara dos Representantes, Alexandria Ocasio-Cortez, que é popular entre os eleitores jovens, disse no Twitter: “Encobrir um assassinato é desqualificante para a liderança pública.”

O cargo de embaixador dos EUA no Japão está vago desde que William Hagerty deixou o cargo em julho de 2019 para concorrer ao Senado.

Joseph Young, então vice-chefe da missão na Embaixada dos Estados Unidos em Tóquio, serviu como encarregado de negócios interino até junho deste ano. Raymond Greene, ex-vice-diretor do Instituto Americano em Taiwan, a embaixada de fato de Washington, está atualmente servindo como embaixador interino dos Estados Unidos no Japão.

Em março do ano passado, o antecessor de Biden, Donald Trump, nomeou Kenneth Weinstein – então chefe do instituto de pesquisas conservador com sede em Washington, o Hudson Institute – como o próximo embaixador dos Estados Unidos no Japão.

Mas a nomeação de Weinstein não foi confirmada pelo Senado. Com a derrota do republicano Trump na eleição presidencial, o democrata Biden assumiu o cargo em janeiro deste ano.

Burns, 65, foi subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, o terceiro funcionário do Departamento de Estado, de 2005 a 2008 sob o governo de George W. Bush.

Ele também serviu como embaixador dos EUA na Organização do Tratado do Atlântico Norte de 2001 a 2005.

== Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Nikkei / Via Kyodo