Política

Japão pretende aliviar medidas que limitam exportação de armas

Shinzo Abe afirmou que seu governo vai aliviar algumas restrições atuais, vigente há décadas.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Shinzo Abe (Foto: Aflo Images)

Shinzo Abe afirmou que seu governo vai aliviar algumas restrições atuais, vigente há décadas (Foto: Aflo Images)

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou que seu governo vai aliviar algumas restrições atuais, vigente há décadas, que proíbem fabricantes de exportarem armamentos desenvolvidos para as forças de defesa japonesas e assim substituí-la por um novo conjunto de leis, informou nesta quinta-feira (30) a imprensa japonesa.

Segundo a NHK, na quinta-feira, Abe respondeu a uma pergunta no Parlamento sobre o plano do governo de revisar a proibição da exportação de armas. A pergunta em questão foi feita por Natsuo Yamaguchi, líder do Partido Komei, que é o parceiro de coalizão do Partido Liberal Democrático (PLD), ao qual pertence o premiê Abe, de acordo com a emissora NHK.

Yamaguchi sugeriu que, ao revisar a proibição da exportação de armas, o governo deveria manter a filosofia de uma nação pacífica. Segundo ele, caso a exportação de armas seja permitida, mecanismos específicos serão necessários, tais como triagem rigorosa e controle adequado para que itens de exportação não sejam usados para outros objetivos além dos estipulados, ou sejam, “transferidos para terceiros países”.

Shinzo Abe, por sua vez, declarou que, com a formulação de um novo conjunto de leis, o governo vai levar em consideração a proibição da exportação de armas pelo Japão.

O premiê reiterou ainda que o novo conjunto de leis vai esclarecer os casos em que as transferências devem ser banidas ou permitidas. Ele também prometeu dar suficiente consideração para a implementação de triagens rigorosas e controles adequados.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •