Sociedade

Mais de 60% dos japoneses estão insatisfeitos com a reconstrução pós-desastre

A pesquisa da Rede NHK revelou que grande parte dos japoneses não veem progresso na reconstrução do país.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

O Instituto de Pesquisa em Cultura da Rede NHK, a mais importante emissora do Japão, conduziu uma pesquisa nacional para sondar a visão da população a respeito do progresso na reconstrução em áreas afetadas pelo terremoto e tsunami que devastou parte do nordeste japonês em 2011. A pesquisa revelou que mais da metade dos japoneses não estão satisfeitos com o progresso na reconstrução da região onde muitos ainda encontram-se sem lar e vivendo em abrigos temporários.

A pesquisa foi realizada de novembro a dezembro do ano passado e abrangeu 3.600 pessoas com idades a partir de 16 anos. Responderam à sondagem 68% do total. Destes, 55% afirmaram que os esforços de reconstrução mostram pouco avanço, enquanto 9% disseram não haver absolutamente progresso algum. Apenas 5% disseram constatar algum progresso.

A pesquisa também indagou sobre a impressão quanto aos esforços empreendidos para descontaminar áreas afetadas pelo acidente nuclear desencadeado pela usina Fukushima Daiichi. Um total de 85% dos entrevistados respondeu identificar pouco de progresso, enquanto 13% deles disseram reconhecer certo avanço.

Quando perguntados sobre qual seria a maior tarefa do governo japonês no trabalho de reconstrução, 45% dos entrevistados citaram o esforço de lidar com os efeitos do acidente nuclear.

Veja abaixo fotos de uma das cidades mais afetadas pelos desastre de 2011:
 (clique nas fotos para ampliação)
Kamaishi, na província de Iwate, em  marco de 2011 (Foto: Kyodo)

Kamaishi, na província de Iwate, em marco de 2011 (Foto: Kyodo)

Kamaishi, na província de Iwate, em  marco de 2013 (Foto: Kyodo)

Kamaishi, na província de Iwate, em marco de 2013 (Foto: Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •