Sociedade

Premiê japonês promete acelerar a reconstrução das áreas afetadas por terremoto

Abe afirmou que 10 mil unidades residenciais terão sua construção concluída até 2015.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Abe discursando na Câmara Alta do Parlamento (Foto: Kyodo)

Abe disse que “houve grande progresso no processo de restauração” durante o ano passado (Foto: Kyodo)

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ressaltou sua resolução de acelerar a reconstrução das áreas afetadas pelo terremoto seguido de tsunami em março de 2011, que devastou grande parte da região nordeste do país e desencadeou a pior crise nuclear desde Chernobyl, informou nesta segunda-feira (10) a emissora pública ‘NHK’.

A declaração aconteceu perante o comitê orçamentário da Câmara Alta do Parlamento, nesta segunda-feira. Abe afirmou que, até o final do mês de março de 2015, cerca de 200 comunidades serão transferidas para regiões mais altas e que mais de 10 mil unidades residenciais públicas terão sua construção concluída e disponível para uso dos sobreviventes da catástrofe.

Questão como o descarte dos destroços provenientes do desastre também foi destacada pelo premiê. Ele afirmou que a remoção total dos destroços nas províncias de Miyagi e Iwate está programada para ser concluído até o final deste mês.

O premiê esclareceu ainda que o governo está elaborando um programa de forma a permitir que os residentes das áreas afetadas pelo acidente nuclear regressem a seus lares. Para os que foram retirados da região desde longa data, o governo está construindo habitações públicas de forma que possam estabelecer suas comunidades, detalhou a NHK.

“Houve grande progresso no processo de restauração durante o ano passado”, declarou o premiê, mas acrescentou que o trabalho ainda está na sua metade, uma vez que 270 mil pessoas continuam sem residências permanentes.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •