Notícias Sociedade

Home office aumenta demanda no Japão por residências maiores

Japonesa em trabalho remoto | Foto: Depositphotos
©Depositphotos

Tendência de trabalho remoto por causa da Covid-19 está levando os japoneses a se mudarem para residências mais espaçosas.

A demanda por serviços de relocação está crescendo no Japão, apesar da tendência de queda nas transferências de empregos em meio ao impacto das infecções por Covid-19, já que as práticas de trabalho remoto, ou home office, estão levando as pessoas a se mudarem para residências mais espaçosas.

Uma mulher na casa dos 30 anos, empregada por uma empresa em Tóquio, mudou de um estúdio para um apartamento com um quarto, sala de estar / jantar e cozinha separada.

“Eu estava angustiada tanto física quanto mentalmente no antigo apartamento, que tinha uma área de 25 metros quadrados”, disse ela, explicando por que se mudou para o novo apartamento, que tem quase o dobro do tamanho.

No estúdio, ela não tinha espaço para uma mesa, apesar de ter que trabalhar mais em casa enquanto seu trabalho e seu tempo de descanso se tornaram cada vez mais difíceis de separar. Uma de suas amigas ficou doente porque trabalhava continuamente em um pequeno apartamento, disse ela ao Nikkei.

“Embora o aluguel mensal do novo apartamento seja cerca de 20.000 ienes (US$ 182) mais caro, sinto-me relaxada aqui”, concluiu.

Realocação aumenta 6%

A demanda doméstica por serviços de realocação está aumentando. Sakai Moving Service, o maior provedor de serviços de mudanças no Japão, tratou de 830.000 casos no ano fiscal de 2020, que terminou em março de 2021. O número representa um aumento de 6% em relação ao ano anterior.

De acordo com o rival Art, a demanda enfraqueceu um pouco após a primeira declaração do governo de estado de emergência em razão da disseminação do Covid-19 em abril de 2020, mas desde então quase não foi afetada pela pandemia.

Japão registrou 2,6 milhões de realocações em 3 anos 

Para sondar o estado atual do mercado de serviços de realocação, o jornal Nikkei e o Centro de Pesquisa Econômica do Japão analisaram em conjunto os dados fornecidos pelo Ateam Hikkoshi Samurai, o maior site de comparação de preços do país para serviços de realocação.

A análise conjunta foi feita usando dados de um total de 2,6 milhões de casos de realocação entre janeiro de 2018 e março de 2021.

Embora o número de casos de realocação como um todo tenha voltado ao nível pré-pandêmico no verão passado, as mudanças estão aumentando mais rapidamente em 2021 do que nos anos anteriores.

Busca por residências maiores

Uma característica notável das recentes realocações é um aumento nas mudanças para unidades residenciais maiores. Em 2020, as realocações para casas maiores representaram 55% de todas as mudanças, um pouco acima do número pré-pandêmico, que era de 52% em 2018-2019.

A maioria dos apartamentos nas grandes cidades japonesas é conjugado, o que dificulta o trabalho remoto de uma mãe, por exemplo | ©iStock.com

VEJA TAMBÉM
Mães ‘multitarefas’ no Japão têm jornadas de trabalho intermináveis

A distância dos movimentos, entretanto, está se tornando mais curta. No trimestre de janeiro a março de 2021, 52% dos que se mudaram o fizeram dentro da mesma prefeitura, quase 5 pontos percentuais acima do período correspondente em 2019. Embora as mudanças desse tipo tenham aumentado em todas as 47 prefeituras ou estados do Japão, 23% das mudanças ocorreram no mesmo município, sinalizando que a maioria das realocação ocorreu em razão da demanda por trabalho remoto.

Melhores ambientes para viver

As empresas estão reduzindo as transferências de empregos que envolvem a mudança de funcionários para casa em um esforço para combater a pandemia e promover “reformas no estilo de trabalho”, de acordo com o provedor de serviços de pessoal Pasona Group.

Ao mesmo tempo, um número crescente de pessoas está se movendo por conta própria em busca de melhores ambientes para viver. Nesses casos, as pessoas tendem a escolher novas casas dentro da mesma esfera a que estão acostumadas, para evitar ter que encontrar novas rotas de transporte e instalações, como lojas.

Há muito se reconhece que as casas no Japão são menores quando comparadas com as residências nos Estados Unidos e muitos países na Europa, por exemplo.

A área média das residências por residente no Japão é de cerca de 40 metros quadrados, dois terços do valor nos Estados Unidos e cerca de 10% menor do que na Alemanha e na França. O espaço médio das casas para aluguel em Tóquio, com sua alta densidade populacional, é de apenas 25 metros quadrados. É justo dizer que o descontentamento com as pequenas casas veio à tona durante a pandemia do coronavírus, com seus repetidos bloqueios.

Achar uma residência que permita organizar um espaço somente para o trabalho remoto é um tanto difícil no Japão, principalmente por conta do aumento dos preços de imóveis, tanto para comprar como alugar | ©iStock.com

Embora pareça ainda haver uma demanda reprimida de relocação, é incerto se as pessoas continuarão a seguir essa tendência devido ao aumento dos preços das moradias.

Aumento de preço de imóveis

Os preços das casas começaram a subir antes do início da pandemia. O investimento continuou a fluir para o setor imobiliário no contexto de políticas de relaxamento monetário em larga escala. O mercado de fundos de investimento imobiliário também cresceu. A proporção do aluguel em relação aos gastos das famílias aumentou 1,4 vezes nos últimos 20 anos, prejudicando os meios de subsistência em um momento em que o crescimento dos salários estagnou.

A média nacional de preços de condomínios aumentou 1,6 vezes na última década. Em Tóquio, os preços atingiram mais de 10 vezes a renda média anual dos trabalhadores. O ônus dos empréstimos hipotecários para os tomadores de empréstimos está aumentando.

Antes da disseminação da Covid-19, a presença dos chamados “refugiados de relocação” – ou pessoas que não podiam se locomover por falta de mão de obra nas empresas de serviços de mudanças – tornou-se um problema social. Mais adiante, se os níveis de renda continuarem a estabilizar ou cair enquanto os preços das moradias continuam subindo, a demanda por relocação provavelmente diminuirá.

== Nikkei Asia / Tradução e Adaptação do Mundo-Nipo.
Foto em Destaque: Depositphotos.