Sociedade

Premiê japonês promete doar US$ 40 milhões em ajuda à Somália

Entre outubro de 2010 e abril de 2012, mais de um quarto de milhão de pessoas morreram de fome na Somália.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, prometeu doar US$ 40 milhões à Somália para ajudar a combater a fome e promover a segurança no país Africano, que frequentemente tem sofrido ataques terroristas.

 

Somália (Foto: Distribuição/FAO)

Entre outubro de 2010 e abril de 2012, mais de um quarto de milhão de pessoas morreram de fome na Somália (Foto: Distribuição/FAO)

 

A promessa foi feita na quinta-feira (14), durante um encontro entre Abe e o presidente da Somália, Hassan Sheikh Mohamud. Na conferência de imprensa conjunta após a reunião, Abe disse que a Somália está superando 21 anos de guerra civil e determinada a manter os esforços para a reconstrução nacional.

O presidente somali agradeceu efusivamente a doação e as declarações de incentivo do premiê japonês. Mohamud afirmou que os esforços para reconstruir o país estão começando a surtir efeitos. Com isso, ele espera que empresas japonesas venham a expandir-se em seu país em um futuro próximo.

 

Situação na Somália

Entre outubro de 2010 e abril de 2012, mais de um quarto de milhão de pessoas morreram de fome na Somália. Cerca de 133 mil somalis que morreram eram crianças menores de cinco anos, de acordo com a Unidade de Análise de Segurança Alimentar e Nutrição da FAO para a Somália (FSNAU), que realizou o estudo juntamente com a rede FEWS NET.

No auge da crise, entre maio e agosto de 2011, cerca de 30 mil pessoas morreram por mês, de acordo com o estudo.

Aproximadamente 4,6% da população total e 10% das crianças menores de cinco anos morreram no sul e centro da Somália, informou a FAO.

A mobilização maciça da comunidade humanitária ajudou a atenuar os piores efeitos da crise, uma vez que a fome foi declarada.

Desde então, a comunidade das Nações Unidas e seus parceiros mudaram a maneira como operam. Cerca de 2,7 milhões de pessoas ainda precisam de ajuda e apoio para construir seus meios de subsistência.

 

Ajuda à Somália

A região, que tem sido severamente afetada nas últimas duas décadas pela guerra civil e uma seca contínua, vem agora recebendo ajuda mais significativas.

Uma nova iniciativa apoiada pela União Europeia (UE), pelo governo da Áustria e por duas agências de segurança alimentar da Organização das Nações Unidas (ONU) irá apoiar os agricultores da Somália a alcançar grandes avanços agrícolas numa região do país que foi assolada pela fome há três anos.

Os agricultores da zona centro da Somália impulsionaram a produtividade e a qualidade dos seus grãos de milho, o que lhes permitiu agora vender 200 mil toneladas de milho de alta qualidade ao Programa Alimentar Mundial (WFP) da ONU. Este milho foi comprado com fundos austríacos. A ajuda alimentar será atribuída às pessoas que ajudarem a construir e a restaurar as infraestruturas comunitárias de projetos da WFP.

Esses agricultores da Somália são agora capazes de produzir milho que cumpre os padrões internacionais de qualidade em quantidade suficiente para vendê-lo à WFP, que irá usar o milho cultivado localmente na sua assistência alimentar para os somalis mais vulneráveis e em situação de insegurança alimentar.

Intervenções humanitárias e estações com mais chuva que o habitual em quase toda a Somália têm reduzido significativamente o número de pessoas em situações graves de escassez de alimentos. No entanto, os mais recentes resultados de um estudo da FAO indicam que 860 mil pessoas ainda enfrentam uma crise de segurança alimentar e 203 mil crianças com menos de cinco anos estão severamente desnutridas.

(Do Mundo-Nipo com informações da Agência Kyodo, ONU, FAO e AllAfrica)

 

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •