Internet Sociedade

Japão ocupa 13º lugar em ranking que mede o impacto da internet na sociedade

O Japão melhorou sete posições no índice que mede o impacto da internet no desenvolvimento social, econômico e político dos países.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

O Japão melhorou sete posições, para 13º lugar no índice que mede o impacto da internet no desenvolvimento social, econômico e político dos países, num contexto mundial em que a inovação está ameaçada por demasiada vigilância, de acordo com os autores da pesquisa.

 

Internet (Foto: Shutterstock)

O Japão melhorou sua posição como resultado de uma nova lei que permite a campanha eleitoral online (Foto: Shutterstock)

 

A World Wide Web Foundation, com sede na Suíça, anunciou o ranking na sexta-feira (22), com base em uma pesquisa realizada em 81 países, que avalia o impacto da utilização da internet e dos serviços online na realidade de cada país, considerando, principalmente, o crescimento e a liberdade em cada uma das sociedades avaliadas.

A Suécia continua a liderar a lista, mas o segundo lugar foi tomado dos EUA pela Noruega, enquanto o Reino Unido manteve a terceira posição, indica a segunda edição do Web Index [webindex.org], elaborado pela Fundação World Wide Web para medir o crescimento, liberdade e utilidade da Internet.

De acordo com os autores, os países nórdicos estão ocupando as classificações mais altas graças aos seus esforços para promover a internet, enquanto o Japão melhorou sua posição como resultado de uma nova lei que permite a campanha eleitoral online, o que provocou efeitos positivos à política e sociedade.

Os Estados Unidos, por sua vez, que ocupavam o segundo lugar no ano passado, caíram para a quarta posição, em meio às revelações de casos de coleta de informações pessoais por parte de agências de inteligência americanas em todo o mundo.

“Uma das descobertas mais encorajadoras do índice deste ano é como a internet e as redes sociais estão estimulando cada vez mais as pessoas a se organizarem, a agir e a tentar expor injustiças em todas as partes do mundo”, disse Tim Berners-Lee, considerado o inventor da Internet.

Em contrapartida, Berners-Lee disse que alguns governos estão ameaçados: “A crescente vigilância e censura ameaça agora o futuro da democracia”, disse ele, apelando para que sejam tomadas medidas ousadas que protejam os “direitos fundamentais da privacidade e liberdade de opinião e reunião online”.

O documento, que foi divulgado em Londres por Berners-Lee, presidente da Fundação WWW, juntamente com Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, entre outros, apela à aprovação de leis que limitem a interseção de comunicações eletrônicas, a qual é feita sem controle adequado por 94% dos países avaliados pelo índice.

Criticas também foi endereçada a censura em vários níveis feita por 30 governos de todo o mundo, desde a filtragem ao bloqueio de conteúdos determinados políticos na internet, ao mesmo tempo em que saúda o papel positivo das redes sociais na mobilização pública em 80% dos países no ano passado.

Os três países emergentes mais bem classificados são México (30º), Colômbia (32º) e Brasil (33º). Os países em desenvolvimento mais bem posicionados são Filipinas (38º), Indonésia (48º) e Quênia (53º), ultrapassando, em certos casos, países mais ricos como o Catar (51º).

A taxa de acesso à banda larga, a qualidade das infraestruturas de comunicações, a quantidade de conteúdos relevantes, o uso das redes sociais e o impacto político da internet são fatores importantes para uma boa classificação.

Porém, a falta de acesso à internet e falta de infraestruturas, de proteção à privacidade dos utilizadores e excessiva vigilância eletrônica pesaram na má avaliação de vários países, sendo o último o motivo que levou os EUA ao declínio de duas posições.

Veja o resultado completo dos índices e ranking em Web Index.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •