Tecnologia Variedades

Momo volta à web para incitar suicídio entre crianças

Momo | Foto: Reprodução / Edição de imagem MN

Vídeos infantis foram “invadidos” pela temida Momo, no quais a horripilante personagem ensina as crianças a praticar atos suicidas.

Com olhos esbugalhados, pele pálida, cabelos negros ralos e sorriso sinistro, a personagem Momo ficou conhecida depois que um vídeo chamado “Desafio Momo” viralizou na internet no ano passado. Porém, esse personagem de aparência aterrorizante retornou, e agora está aparecendo em vídeos infantis populares na internet.

De acordo com uma matéria publicada na semana passada na revista Crescer, a personagem interrompe a exibição com mensagens assustadoras, ensinando como uma criança deve fazer para se suicidar.

A reportagem da revista Crescer relata o caso de um vídeo popular na internet de uma criança brincando de slime que é interrompido, após poucos segundos do início da sua exibição, com imagens da Momo ensinando o passo a passo de como cortar os pulsos, literalmente, em inglês.

No vídeo, Momo ensina as crianças como cortar os pulsos | Reprodução / YouTube

Os pais entrevistados na matéria afirmam ter recebido o vídeo por meio de um grupo do WhastApp. Ao conversarem com a filha de 8 anos sobre o assunto, descobriram que ela já havia assistido à cena cerca de três vezes e estava muito assustada, inclusive com medo de dormir sozinha.

Eles afirmaram à reportagem que haviam colocado filtro no YouTube, restringindo o acesso da filha ao conteúdo do YouTube Kids.

Crescer publicou uma carta do YouTube, que se manifestou sobre o assunto, afirmando tem “prestado muita atenção sobre o assunto [Momo]”.

Eles disseram que analisaram o caso e “não encontraram nenhuma evidência recente” de vídeos promovendo o “Desafio Momo” no YouTube.

“Vimos capturas de tela de vídeos e/ou miniaturas com eles [Momo] … Essa imagem não é permitida na aplicação YouTube Kids e disponibilizamos garantias para a excluir do conteúdo no YouTube Kids”, afirmaram.

No entanto, a revista Crescer disse que “vale lembrar que o próprio YouTube Kids foi lançado em 2016 justamente para atender a demanda dos pais e da sociedade a respeito da segurança do conteúdo destinado às crianças. O aplicativo, porém, seleciona os vídeos através de um algoritmo que, aparentemente, pode ser burlado, resultando em produções impróprias”.

Para tentar corrigir a situação, em abril do ano passado, o Google anunciou que contrataria milhares de funcionários para trabalharem como curadores da plataforma infantil, destacou a revista.

*Confira, na íntegra, a matéria da revista online Crescer.

O que é Momo
A imagem usada para ilustrar Momo é de uma escultura criada pela empresa japonesa de efeitos especiais Link Factory. Com o nome mulher-pássaro, a escultura foi exposta em 2016 numa galeria de arte em Ginza, distrito de Tóquio.

Escultura original de Momo | Foto: Reprodução

Chamado de ‘Vanilla Gallery’, este lugar é conhecido por fazer exposições de arte alternativas e aterrorizantes. Em 2016, eles abriram uma exposição sobre fantasmas e espectros, na qual esta escultura humanoide de “mulher-pássaro” se destacou.

Muitos visitantes foram ao local para tirar fotos com esta escultura perturbadora, que posteriormente foi utilizada por alguém para amedrontar pessoas na Internet.

Quando surgiu na internet
A personagem com olhos esbugalhados e sorriso sinistro teve sua imagem disseminada pelo WhatsApp, como um desafio viral que começou no México e se espalhou pelo mundo no ano passado, no qual os participantes eram estimulados a se comunicar com um número desconhecido.

Nessas conversas, autoridades identificaram que os participantes eram expostos a mensagens de conteúdo violento e de estímulo ao suicídio. Também havia temores de que participantes tivessem seus dados pessoais roubados.

Depois, versões da Momo estimulando o suicídio de crianças foram inseridas no meio de vídeos tradicionais infantis – especialistas acreditam que pessoas mal-intencionadas baixem esses vídeos originais (como os da canção Baby Shark e da massinha slime), editem com inserções de alguns segundos da Momo e compartilhem-nos online. Há diferentes versões, mas elas giram, basicamente, em torno de uma voz distorcida que pede a crianças que busquem objetos afiados e se cortem com eles.

A BBC News Brasil conversou com o Ministério Público da Bahia, com o YouTube e com as ONGs de monitoramento da web Safernet e DimiCuida. Até esta segunda-feira, nenhum deles havia encontrado nenhuma URL que confirmasse a presença do vídeo na plataforma Kids.

“Ao contrário dos relatos apresentados, não recebemos nenhuma evidência recente de vídeos mostrando ou promovendo o desafio Momo no YouTube Kids. Conteúdo desse tipo violaria nossas políticas e seria removido imediatamente”, afirmou o YouTube em nota.

A plataforma não esclareceu, porém, detalhes da política de segurança para quem tenta subir vídeos na plataforma Kids.

“Pode ser também que tenha havido algum vídeo que já tenha sido tirado do ar (da plataforma) após denúncias. O que vemos é que esse tipo de conteúdo não vem de uma fonte única, já que essas plataformas são abertas para todos (publicarem)”, diz à BBC  Fabiana Vasconcellos, psicóloga da ONG cearense DimiCuida, de prevenção a jogos de asfixia online e monitoramento de conteúdo impróprio para crianças.

A BBC News Brasil também monitorou grupos de discussão nas redes sociais nesta segunda-feira e, até o momento, só encontrou versões do vídeo circulando no WhatsApp. Qualquer pessoa que veja conteúdo do tipo em plataformas deve denunciá-lo imediatamente, para que seja removido.

*Confira, na íntegra, a matéria da BBC News Brasil.