Japão sofre queda no ranking global de competitividade digital

O Japão caiu no ranking, principalmente, devido à resposta “analógica” à pandemia. As autoridades ainda usavam fax para coletar dados sobre casos de covid-19.
Conceito de tecnologia digital | ©Depositphotos
©Depositphotos

Atualizado em 03/10/2022

O Japão atingiu um novo patamar de baixa em termos de competitividade digital global, de acordo com um ranking anual divulgado na última quarta-feira, ressaltando a dificuldade do país em modernizar os sistemas dos setores público e privado.

No último Ranking Mundial de Competitividade Digital, publicado pelo Instituto Suíço de Desenvolvimento Gerencial (IMD), o Japão ficou em 29º lugar entre 63 economias, caindo um degrau em relação ao ano passado para o pior lugar desde o início do ranking, em 2017.

O Japão continua atrás das economias asiáticas Cingapura (quarto), Coreia do Sul (oitavo), Hong Kong (nono), Taiwan (11º) e China (17º) no ranking.

“As coisas estão simplesmente indo ladeira abaixo e não há transformação a ser vista”, disse Naoshi Takatsu, sócio-gerente do IMD para o nordeste da Ásia.

O ranking classifica uma economia baseada em conhecimento, tecnologia e prontidão para o futuro. O Japão sofreu o maior desgaste na categoria conhecimento, caindo três posições do ano passado, para o 28º lugar.

Alimentando este resultado está a escassez de pessoal, habilidades digitais e experiência internacional. O Japão terá um déficit de 450 mil profissionais de tecnologia da informação (TI) em falta em 2030, de acordo com uma estimativa do Ministério da Economia, Comércio e Indústria.

A previsão despertou uma sensação de alarme, especialmente na comunidade empresarial. A incorporadora imobiliária Mitsubishi Estate está treinando 10 mil pessoas dentro do grupo em análise de dados e outras ferramentas digitais. Mas esses tipos de iniciativas continuam sendo a exceção e não a regra.

Outro problema é o fato de que 70% do pessoal de TI no Japão está concentrado em empresas de TI. Este é o resultado de as empresas não se afastarem completamente das escalas salariais baseadas em antiguidade para aquelas baseadas em conjuntos de habilidades e qualificações.

A vendedora de móveis Nitori Holdings é uma exceção. O grupo estabeleceu uma subsidiária com uma estrutura de remuneração diferente da controladora. Os especialistas que trabalham na nova unidade podem ganhar mais de 10 milhões de ienes (US$ 69 mil) por ano.

Ao mesmo tempo, os especialistas em tecnologia que podem trabalhar no chão da fábrica são escassos e o treinamento não conseguiu acompanhar a demanda.

No topo da lista do IMD está a Dinamarca, que lançou o borger.dk, um portal único onde os cidadãos podem acessar os serviços governamentais a qualquer momento. Os Estados Unidos, líderes do ano passado, ficaram em segundo lugar, enquanto a Suécia ficou em terceiro.

Ao contrário do Japão, as empresas dos países ocidentais geralmente estabelecem escalas salariais com base na importância do trabalho, não na antiguidade. Essas empresas também costumam contratar engenheiros internos.

As corporações japonesas “muitas vezes passavam o desenvolvimento de sistemas e software para empresas de TI”, disse Kunihiro Tanaka, presidente da Sakura Internet, uma importante provedora de serviços em nuvem no Japão.

Em termos de “prontidão futura”, o Japão caiu um degrau, para o 28º lugar. Esta categoria mede áreas como adaptabilidade à tecnologia digital, progresso de iniciativas de governo eletrônico e capacidades de segurança cibernética.

Ficar nesse patamar revela uma agilidade de negócios insuficiente. Por exemplo, a Panasonic Holdings supervisiona uma mistura complexa de mais de 1.200 sistemas. Em casos típicos, os silos organizacionais são afetados pela má coordenação horizontal de dados que impede o acesso a informações muito necessárias. Isso atrasa a tomada de decisão pela administração.

“Existem muitos testes de prova de conceito sendo conduzidos para novos negócios, mas eles não estão levando a mudanças significativas em geral”, disse Takatsu, do IMD.

As posições melhores no ranking de Cingapura, Coreia do Sul, Hong Kong, Taiwan e China podem ser parcialmente atribuídas à agilidade comercial altamente considerada de cada economia. Embora a China tenha caído duas posições no ranking deste ano, ainda está muito longe do 31º lugar, onde o país terminou em 2017.

O Japão sofreu o que foi chamado de derrota digital devido à resposta decididamente analógica à pandemia. As autoridades ainda usavam aparelhos de fax para coletar dados sobre casos de covid-19, e os sistemas governamentais falhavam em trabalhar juntos de maneira aceitável.

Uma Agência Digital totalmente nova, lançada em setembro do ano passado, foi encarregada de liderar a transformação digital de organizações governamentais. Mas o então primeiro-ministro, Yoshihide Suga, decidiu renunciar logo após o estabelecimento, o que prejudicou o impulso da agência.

O atual primeiro-ministro, Fumio Kishida, está avançando com a Digital Garden City Nation, uma visão que criaria 2,3 milhões de trabalhadores digitais ao longo de cinco anos, mas os observadores apontam que há muitos gastos no plano.

As evidências mostram que o Japão está lentamente perdendo posição no cenário global. Reverter isso provavelmente exigirá um foco renovado nos problemas estruturais e a percepção de que a tecnologia sozinha não é a solução.

“Não importa quanto conhecimento de TI ou quantos profissionais de TI existam, se eles não tiverem autoridade para mudar as operações de negócios, as coisas permanecerão as mesmas”, disse Ichiro Satoh, professor do Instituto Nacional de Informática.

Com Valor Online
Foto: Depositphotos

Total
52
Shares
Previous Article
Quarto de hotel em Tóquio | Foto: Distribuição / Ritz Carlton Tokyo Hotel

Cidade de Tóquio lidera ranking de hotéis mais limpos do mundo

Next Article
Urna eletrônica brasileira | ©Depositphotos

Bolsonaro vence no Japão, mas Lula tem vantagem na China e Oceania

Related Posts