Internet

Japão realiza simulação de ciberataques a órgãos governamentais e associações

A simulação foi a primeira a reunir o governo e o mundo dos negócios para combater uma ameaça de hackers.

Do Mundo-Nipo

Com o objetivo de reforçar a segurança nacional do país, que se prepara para sediar os Jogos Olímpicos de 2020, o Japão simulou um ataque cibernético contra vários departamentos do governo nesta terça-feira (18), seguindo o exemplo da Grã-Bretanha, que realizou simulação semelhante para testar seus sistemas de computador durante a preparação para os Jogos Olímpicos de Londres-2012.

O Centro Nacional de Segurança da Informação do Japão reuniu cerca de 50 especialistas em defesa cibernética para a defesa contra um ataque simulado em 21 órgãos do governo, que inclui ministérios e agências, bem como em dez associações da indústria japonesa.

O ministro das Ciências e Tecnologia do Japão, Ichita Yamamoto, que está liderando os esforços para dinamizar a segurança cibernética do Japão, disse que “o país está, certamente, atrás dos Estados Unidos no que diz respeito à cibersegurança”.

Ikuo Misumi, especialista do Centro Nacional de Segurança da Informação do Japão, explicou que foi simulado um ataque de “phishing” em órgãos governamentais, nos quais foi deliberadamente permitido que os computadores recebessem um vírus ao visitar um site falso.

A simulação foi a primeira a reunir o governo e o mundo dos negócios para combater uma ameaça de hackers. A segurança cibernética do Japão é compartilhada entre a Agência Nacional da Polícia e quatro ministérios.

Em 2013, o japão detectou um recorde de 12,8 bilhões de ciberataques a instituições públicas e outras organizações do país. O número foi o maior já registrado desde que o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação e Comunicação começou a divulgar dados sobre ataques cibernéticos em 2005.

(Do Mundo-Nipo com informações da Agência Reuters e Agência Kyodo).

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.