Notícias Variedades

Pedra que ‘aprisionava’ demônio Tamamo-no-Mae se rompe após mil anos

Reprodução / Twitter @Lily0727K

Japoneses especulam que o espírito maligno da Kyuubi ressuscitou, podendo causar, mais uma vez, grandes tragédias ao Japão.

Atualizado em 06/04/2022

Previsões de forças das trevas sendo liberadas por um demônio repercutiu rapidamente nas mídias sociais no Japão nesta semana, depois que uma famosa rocha vulcânica, conhecida como “Pedra da Morte”, que dizia matar qualquer pessoa que entrasse em contato com ela, foi encontrada misteriosamente dividida em duas.

De acordo com a mitologia japonesa sobre a Pedra da Morte (Sessho-Seki), a rocha contém o cadáver transformado de Tamamo-no-Mae, uma bela mulher que fazia parte de um plano secreto tramado por um senhor da guerra feudal para matar o imperador Toba, que reinou de 1107-1123.

Diz a lenda que sua verdadeira identidade era uma malvada raposa de nove caudas (Kyuubi no Kitsune), cujo espírito foi trancado neste pedaço de rocha localizado em uma área da província de Tochigi, perto de Tóquio, famosa por suas fontes termais sulfurosas.

Segundo o jornal The Guardian, a separação da pedra em duas partes, aproximadamente iguais e que se acredita ter ocorrido nos últimos dias, assustou muitos internautas no Japão. Alguns mencionaram que a pedra expele gás venenoso continuamente.

A lenda da Pedra da Morte

É dito que Tamamo-no-Mae morreu após ser atingida por uma flecha nas planícies de Nasu, próxima às encostas do Monte Nasu, em Tochigi. Logo após sua morte, o corpo da maléfica kitsune se transformou em pedra e passou a ser chamado de Sessho-Seki, literalmente “Pedra da Morte ou Pedra da Matança”. Conta a lenda que qualquer criatura viva que entrasse em contato com a pedra morria imediatamente. Tamamo-no-Mae tinha se transformado em um poderoso Hoji, também chamado de youkai (espírito maligno e/ou demônio) de tão poderoso que era o mau dessa raposa. Seu espírito assombrou a pedra por tempos.

O mau Sessho-Seki teve o seu fim após ser exorcizado por um monge budista. Nos dias atuais, tanto a rocha como as planícies e encostas do Monte Nasu são os principais destinos turísticos de curiosos e daqueles que acreditam ser o local em que Tamamo-no-Mae morrera no Japão.

Embora a história de Tamamo-no-Mae faça parte do folclore japonês, ela também consta nos antigos livros de história “real” do Japão, nos quais relatam sobre o Imperador Toba, também conhecido como Imperador Konoe, que teve seu império ameaçado por uma bela, e maligna, cortesã que, após descoberto seu plano, foi morta e “enterrada em uma rocha”.

Rocha Sessho-Seki partida

No último fim de semana, os visitantes na área onde está localizada a suposta pedra Sessho-Seki, em Tochigi, recuaram horrorizados depois que testemunhas postaram nas redes sociais fotos da pedra dividida em duas partes, diz o The Guardian.

Especula-se que “o espírito maligno de Tamamo-no-Mae ressuscitou”, podendo causar, mais uma vez, grandes tragédias ao Japão.

Moradores das redondezas disseram que a rocha começou a apresentar rachaduras alguns anos atrás. Com isso, autoridades locais mandaram reforçar a rocha com cabos de aço, o que, de certo, não adiantou. A rocha contava ainda com uma corda repleta de selos sagrados dispostos no seu entorno, no que acreditava reforçar o aprisionamento do demônio, segundo o jornal Yomiuri.

O local conta ainda com várias estátuas de monges com poderes sagrados de Buda, cuja finalidade é manter o demônio no local, de acordo com o Nasu Town Tourist, órgão responsável pelo turismo do Distrito de Nasu. O órgão também guarda cópias autenticadas de registros históricos, que datam do século XII, os quais atestam que a rocha é, de fato, o “corpo de Tamamo-no-Mae transformado em Sessho-Seki”.

A foto mostra Sessho-Seki antes de rachar com a corda e selos no seu entorno, bem como o antigo pilar em madeira com caracteres em japonês avisando que trata-se da “Pedra da Morte” | Foto: Nasu Town Tourist 

As fotos postadas nas mídias sociais mostram tanto a rocha Sessho-Seki partida como, também, pedaços de cordas e selos arrebentados no chão e próximos à rocha.

“Sinto que vi algo que não deveria ser visto”, disse uma usuária do Twitter no Japão em um post que atraiu, até o momento, mais de 180.000 curtidas.

Enquanto outros especulam que o espírito demoníaco de Tamamo-no-Mae ressuscitou depois de quase 1.000 anos, a mídia local disse que rachaduras apareceram na rocha vários anos atrás, possivelmente permitindo que a água da chuva enfraquecesse sua estrutura.

A pedra, que foi registrada como Patrimônio Histórico em 1957, foi mencionada na obra seminal de Matsuo Basho, “The Narrow Road to the Deep North” (A Estrada Estreita para o Norte Profundo, em tradução livre), e inspirou uma peça No (um dos quatro principais teatros tradicionais do Japão), um romance e um filme de anime.

Masaharu Sugawara, chefe de um grupo de guias voluntários locais, disse ao Yomiuri que “é uma vergonha a pedra ter partido”, uma vez que ela era um símbolo local e nacional, mas concordou que a natureza simplesmente seguiu seu curso.

Autoridades do governo local e central se reunirão para discutir o destino da pedra, de acordo com o Shimotsuke Shimbun. O jornal citou um funcionário do turismo de Nasu dizendo que gostaria de ver a Sessho-Seki restaurada à sua forma original – “presumivelmente com seu habitante demoníaco selado dentro dela”, destacou o The Guardian.

Veja, no vídeo abaixo, a encosta de Nasu com dezenas de estátuas protetoras contra o demônio e os selos de aprisionamento no entorno de Sessho-Seki:

Créditos: Hisham Rojbani

== Mundo-Nipo (MN)