Ciência e Saúde

Japão vai estender estado de emergência até 7 de março

©Reuters

Apenas Tochigi e Okinawa ficam de fora da prorrogação. Tóquio será mantida, apesar de recentes quedas nos casos diários de coronavírus.

O governo do Japão deve estender o estado de emergência por mais um mês, até 7 de março, para Tóquio e outras regiões que lutam para conter a pandemia do novo coronavírus, uma vez que os hospitais continuam colapsado com o aumento diário de pacientes em estado grave em razão do vírus, informou a Kyodo News citando fontes governamentais.

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, tomará a decisão final após ouvir um painel de especialistas ainda esta semana.

Espera-se que Tóquio e suas prefeituras vizinhas, que inclui Kanagawa, Chiba e Saitama, bem como Aichi, Gifu, Osaka, Kyoto, Hyogo e Fukuoka, permaneçam em estado de emergência com base em uma lei que visa conter os casos de Covid-19, disse a fonte, um funcionário do governo familiarizado com os planos, à Kyodo.

A prorrogação do alerta sanitário, no entanto, não valerá para a província de Tochigi, localizada ao norte da capital. Ele será removido porque o número de casos diários de coronavírus melhorou significativamente nesta província.

A ilha de Okinawa também será excluída da ampliação, embora algumas ilhas remotas do arquipélago de Okinawa tenham registrado significativos aumentos de casos.

Sob o estado de emergência, as pessoas são instadas a evitar passeios desnecessários enquanto os restaurantes e bares são solicitados a fechar mais cedo. As empresas são incentivadas a adotar o trabalho remoto e a participação em grandes eventos foi limitada.

Embora as medidas tenham sido mais flexíveis do que o estado de emergência anterior na primavera passada, em abril de 2020, quando as escolas foram fechadas em todo o país e algumas empresas foram obrigadas a fechar temporariamente, elas tiveram pelo menos certo sucesso em reduzir o número de infecções.

Tóquio relatou 393 casos de coronavírus nesta segunda-feira (1), o menor número em mais de um mês e abaixo do pico de 2.447 casos diários.

Mas o número de pacientes em estado grave e mortes atribuídas ao Covid-19 permanecem próximos ao pico, e especialistas em saúde alertam que levará algum tempo antes que a situação melhore.

Atuação do governo contra a pandemia 

Suga, que viu seu apoio público diminuir em meio às críticas de que sua resposta à pandemia foi lenta, está lutando para conter o coronavírus a tempo para as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio, que foi adiada de 2020 para em julho deste ano. Sua realização, no entanto, é amplamente rejeitada pela população japonesa, segundo pesquisas.

O Japão está atrás de outros países, como os Estados Unidos, no lançamento de vacinas, com vacinações para profissionais de saúde começando no final deste mês, seguido por pessoas com 65 anos ou mais em abril, no mínimo.

Depois de consultar o painel de especialistas, Suga deve comparecer ao parlamento para explicar o raciocínio por trás da extensão do estado de emergência, antes de anunciar formalmente a decisão em uma reunião da força-tarefa Covid-19 do governo e dar uma entrevista coletiva à noite.

O primeiro-ministro também deve responder pelos membros da coalizão governante que foram à bares e restaurantes no popular distrito de Ginza, em Tóquio, apesar das diretrizes do governo para ficar em casa.

Três dos legisladores foram efetivamente expulsos do Partido Liberal Democrático, de Suga, por causa do assunto, enquanto outro pertencente ao parceiro de coalizão Komeito renunciou ao cargo no Parlamento.

Suga declarou estado de emergência na área metropolitana de Tóquio em 7 de janeiro e o expandiu para as outras prefeituras em 13 de janeiro. Ao contrário de outros países que impuseram bloqueios rígidos, o Japão não tem base legal para punir os infratores.

Para adicionar força às medidas, o governo propôs uma legislação que introduz multas para os pacientes do Covid-19 que se recusam a hospitalização, bem como restaurantes e bares que ignoram as ordens de fechar mais cedo.

A legislação – revisões da lei de medidas especiais contra o coronavírus e da lei de doenças infecciosas – foi aprovada na Câmara dos Representantes na segunda-feira e deverá ser promulgada na quarta-feira após a aprovação pela Câmara dos Vereadores.

== Kyodo / Tradução e adaptação do Mundo-Nipo.