Ciência e Saúde

Japão amplia estado de emergência, mas população acha que ação é ‘tardia’

©CNN Chanel

79% dos japoneses afirmam que o alerta sanitário veio tarde demais, e outros 33% dizem que deveria valer para todo o Japão, diz pesquisa.

O governo do Japão ampliou seu estado de emergência em meio a um aumento constante nos casos de Covid-19, enquanto uma pesquisa da emissora pública NHK mostra que a maioria dos japoneses acha que a medida vem um pouco tarde, e vê ainda a resposta do governo à pandemia de forma desfavorável. 

O alerta sanitário agora se estende às províncias de Osaka, Hyogo, Kyoto, Aichi, Gifu, Fukuoka e Tochigi, que foram adicionadas a Tóquio e mais três prefeituras vizinhas no dia 7 deste mês. O estado de emergência para todas as 11 prefeituras deve permanecer em vigor até 7 de fevereiro.

O primeiro-ministro Suga Yoshihide falou à mídia na noite de quarta-feira para explicar a decisão.“Para deixar a situação atual [pandemia] para trás o mais rápido possível, a população, o Estado e as comunidades locais devem se unir e trabalhar em direção a um objetivo comum (…) suportar as restrições ao nosso estilo de vida e superar esta crise”, disse ele.

“O governo fará tudo o que puder para proteger as vidas e meios de subsistência das pessoas, completou”

As restrições incluem pedir que os estabelecimentos de alimentação e de bebidas fechem às 20h, solicitar que as empresas passem a aderir o trabalho remoto para ajudar a reduzir o número de passageiros no transporte público em 70% e exortar as pessoas a evitar passeios não essenciais em todos os momentos, especialmente depois das 20h.

A declaração já teve repercussões. Segundo a Toreta, empresa de reservas online, o número de lanchonetes em restaurantes caiu 60% desde o anúncio da declaração na última sexta-feira.

Um funcionário de meio período de uma rede de ramen disse à NHK que receberá apenas 50.000 ienes este mês, cerca de 480 dólares. O horário de funcionamento do restaurante foi reduzido em relação ao início de janeiro, causando o término de meio período. O funcionário deveria receber auxílio-licença, mas a empresa lhe disse que não vai pagar pelos turnos perdidos a partir do final de janeiro, pois não foram oficialmente atribuídos a ele.

“Não posso concordar com a decisão de permitir que os funcionários em tempo parcial sofram quando se tornam um fardo para a empresa”, disse ele à NHK.

Um sindicato local para pessoas que trabalham na indústria de restaurantes e lanchonetes deve negociar com a operadora da rede para exigir que os trabalhadores recebam benefícios de auxílio, segundo a NHK.

Em todo o Japão, 97 pessoas morreram de Covid-19 na quarta-feira. e 900 estão em estado grave – ambos os números são recordes. No mesmo dia, 5.871 casos foram confirmados. Os casos nas 11 prefeituras em estado de emergência respondem por mais de 80% desse número.

Mapa mostra as províncias em estado de emergência no Japão | ©NHK News

Omi Shigeru, chefe de um painel de especialistas do governo, disse que está claro que o menor horário de funcionamento em bares e restaurantes é eficaz até certo ponto. Ele disse, porém, que quando a situação é grave e o estado de emergência é anunciado, apenas reduzir as horas de trabalho não é suficiente para conter as infecções.

“O mais importante agora é não sair de casa, tanto de dia como de noite”, diz Omi.

O presidente da Associação Médica do Japão , Nakagawa Toshio, diz que dependendo de como a infecção se espalha, uma declaração de emergência nacional deve ser considerada.

“O sistema de saúde (hospitais e clínicas) já está entrando em colapso por todo o Japão ”, diz ele. “Tomar medidas depois que todos os dados ultrapassarem o marco limite pode ser tarde demais.”

Pesquisa sobre resposta do governo à pandemia

A última pesquisa de opinião da NHK sugere que muitas pessoas vêem a resposta do governo à terceira onda de infecções por coronavírus de forma desfavorável.

O inquérito mostra que cerca de 60% dos entrevistados disseram que as autoridades “não estão indo muito bem” ou “indo mal”. Cerca de 40% responderam que o governo está “fazendo um trabalho muito bom” ou “indo bem até certo ponto”.

O primeiro-ministro disse em 25 de dezembro que não era o momento certo para declarar o estado de emergência. Porém, na sexta-feira passada, duas semanas depois, o governo fez exatamente o contrário, declarando alerta sanitário para Tóquio e suas três prefeituras vizinhas.

Foi a primeira declaração de emergência para a terceira onda de infecções por Covid-19 no país.

Com relação ao momento da declaração, 79% dos entrevistados disseram que chegou “tarde demais”. Além disso, 47% afirmaram que deveria abranger outras áreas, enquanto 33% disseram que deveria ser emitido em âmbito nacional.

Questionados se acham que o estado de emergência pode ser suspenso até 7 de fevereiro, apenas 6% dos entrevistados disseram que sim, enquanto 88% disseram que não e 7% não tinham certeza ou não responderam.

A pesquisa foi realizada por telefone entre 9 e 11 de janeiro. A NHK ligou para pessoas com 18 anos ou mais, selecionadas aleatoriamente. Um total de 1.278 pessoas, ou 59% dos contactados, responderam à pesquisa.

Índice de aprovação do governo

Além desses números pessimistas, o índice de desaprovação para o governo de Suga ultrapassou seu índice de aprovação pela primeira vez desde que ele assumiu o cargo em setembro.

O índice de aprovação ficou em 40%, dois pontos abaixo do mês passado, com desaprovação em 41%, um aumento de cinco pontos percentuais.

== Mundo-Nipo (MN)
Fonte: NHK News.