Ciência e Saúde

No Japão, 10% dos infectados por Covid-19 têm sintomas por 1 ano, diz pesquisa

Pessoas no Japão de máscara | Foto: Athit Perawongmetha
©Athit P.

Sintomas persistentes mais prevalentes da Covid-19 são redução da força muscular, dificuldade respiratória e cansaço.

Cerca de 10% das pessoas internadas em hospitais devido a sintomas de Covid-19 continuaram a sofrer efeitos colaterais um ano após a alta, mostrou uma recente pesquisa compilada por um grupo de especialistas do Ministério da Saúde do Japão, de acordo com a Kyodo News.

Os sintomas persistentes mais prevalentes revelados na pesquisa são redução da força muscular, somando 7,4% dos pacientes, seguido de dificuldade respiratória (4,4%) e cansaço (3,5%), de acordo com a pesquisa.

Pacientes com olfato alterado ou perda total do olfato representaram 1,6%, enquanto aqueles com paladar alterado somaram 1,0%.

Como resultado, aproximadamente 9,8% dos pesquisados continuaram a frequentar instalações médicas queixando-se de sintomas que pareciam ser efeitos colaterais da Covid-19 um ano após receberem alta.

A pesquisa abrangeu 693 pessoas com sintomas moderados ou graves de Covid-19 que foram internadas em hospitais entre setembro de 2020 e julho de 2021.

Embora a taxa de pessoas que se queixam de sintomas persistentes esteja diminuindo com o passar do tempo, os efeitos colaterais “continuam em alguns”, disse Akihito Yokoyama, líder do grupo do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

“É importante evitar a infecção”, disse Yokoyama, professor do Departamento de Medicina Respiratória e Alergologia da Universidade de Kochi, pedindo às pessoas que se vacinem e sigam as medidas de segurança.

Quanto aos indivíduos com dados de tomografia computadorizada, 5,1% apresentaram problemas pulmonares um ano após a alta, de acordo com o estudo.

Imagem microscópica mostra a subvariante BA.2 da ômicron | Foto: Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão / Via Kyodo
Subvariante BA.2 representa 90% dos casos de Covid-19 no Japão | Foto: Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão / Via Kyodo
Dados da Covid-19 no Japão e no mundo

Um relatório divulgado pelo Ministério da Saúde no final de abril revelou que 555 pessoas morreram em casa de janeiro a março deste ano, quando a sexta onda de coronavírus atingiu o Japão. Desses, 39% tinham recebido a segunda dose da vacina contra Covid-19.

Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que  contabiliza os números da Covid-19 em todo o mundo, cerca de 8,13 milhões de pessoas foram infectadas no Japão. Desse total, 29.847 morreram em consequência do coronavírus no país até o último domingo (8).

Por província, Osaka contabiliza o maior número de mortes por Covid-19, somando 4.967 óbitos, enquanto Tóquio detêm o maior registro de casos, totalizando 1,47 milhão de infectados e 4.368 mortes pelo vírus, de acordo com a Johns Hopkins.

No Brasil, o número de casos passa de 30 milhões, enquanto o de mortes em consequência do vírus está em aproximadamente 664 mil pessoas, com São Paulo no topo da lista de Estado com o maior número de casos (5,42 milhões) e de mortes (168 mil).

No mundo, o número de casos totaliza mais de 518 milhões e, o de mortes, passa de 6,25 milhões, de acordo com os dados da Johns Hopkins.

== Mundo-Nipo (MN)