Ciência e Saúde

Saiba como reconhecer e prevenir ataques de pânico

©Stockvault

Ataque de pânico é um episódio súbito de medo intenso e sintomas físicos baseados em uma ameaça imaginária sem perigo real.

Se você já experimentou ansiedade ou medo intenso em algum momento da vida, você sabe como essa sensação pode ser desgastante. É difícil conviver com qualquer tipo de condição de saúde mental, não importa quem a tenha ou quais sejam os sintomas. Ansiedade, medo e uma variedade de outras emoções muitas vezes podem levar a uma reação física no corpo, conhecida como ataque de pânico.

O ataque de pânico é o resultado de uma ameaça imaginária e não se baseia em uma situação perigosa real. Os ataques de pânico podem ser esperados ou inesperados e podem acontecer a qualquer hora do dia, podendo durar segundos ou vários minutos.

Viver com ataques de pânico é difícil porque eles podem ocorrer sem quaisquer sinais de alerta. Os ataques de pânico não se importam se você está curtindo uma noite com amigos, assistindo a um filme com uma pessoa amada ou cantando no palco em um show; eles podem surgir a qualquer momento. Embora isso possa parecer assustador, saiba que você não está sozinho.

Reconhecendo um ataque de pânico

Há vários métodos simples que podem ajudar a reconhecer e prevenir ataques de pânico. Um pouco de aprendizado, prática e mudanças na rotina do dia ajudam a evitar que os ataques de pânico interfiram em sua vida. Lembre-se de que não há maneira infalível de interromper ou prevenir completamente os ataques de pânico. Estas são apenas dicas e truques para tentar ajudar, mesmo que seja um pouco, já será um grande avanço.

Características de um ataque de pânico

Primeiro, certifique-se de estar familiarizado com o que é e a aparência de um ataque de pânico. Você pode estar confundindo ataques de pânico com outra coisa, e não será tão bom se você estiver tentando prevenir algo que não está experimentando em primeiro lugar. Claro, apenas um terapeuta ou outro profissional pode diagnosticar você com precisão, portanto, certifique-se de procurar a ajuda dele. Fatores como genética, eventos traumáticos, uso de drogas ou outras condições de saúde mental podem tornar alguém mais ou menos sujeito a ataques de pânico. Quando tiver certeza de que está lidando com ataques de pânico, comece a aprender a reconhecê-los.

Sinais comuns de um ataque de pânico
  • Tontura ou vertigem
  • Medo ou ansiedade intensos
  • Respiração pesada ou falta de ar
  • Batimento cardíaco acelerado
  • Arfante seco ou náusea
  • Sentimentos de desespero ou pavor

© Vetor Recriar Sentidos / Montagem Mundo-Nipo

Os sintomas de um ataque de pânico podem variar de pessoa para pessoa e podem ser mais ou menos intensos, dependendo de quem o está experimentando. Ainda assim, qualquer tipo de ataque de pânico não é divertido e será muito assustador.

Prevenindo Ataques de Pânico

Agora que você sabe a aparência e a sensação de um ataque de pânico, pode começar a criar uma vida e hábitos que, com sorte, o ajudarão a evitá-los. Você pode experimentar um ou todos eles por conta própria ou em combinação com os outros. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra.

Abaixo está uma lista de prevenção que, de fato, não são “curas” para ataques de pânico, mas simplesmente maneiras pelas quais é possível reduzir a intensidade ou frequência de seus ataques de pânico.

Comer alimentos saudáveis: Comer uma dieta bem balanceada, cheia de alimentos energéticos, dará à sua mente e corpo a energia que eles desejam. Um corpo nutrido ajudará a garantir que você também tenha uma mente nutrida.

Evitar cafeína: para muitas pessoas, a cafeína cria ansiedade e uma sensação de estar constantemente no limite. As pessoas que têm ataques de pânico podem descobrir que os têm com mais frequência quando estão bebendo refrigerantes, café ou até mesmo alguns tipos de chá.

Exercícios: Praticar exercícios regularmente reduz o estresse e a ansiedade. É uma ótima saída porque você pode liberar qualquer tensão que estava segurando por dentro. A tensão ou o estresse acumulados podem torná-lo mais sujeito a um ataque de pânico.

Dormir o suficiente todas as noites: Não dormir o suficiente pode levar à privação de sono e ansiedade, os quais podem criar uma atitude em que um ataque de pânico é mais provável de ocorrer. Você quer dar a sua mente a chance de reiniciar a cada noite para que você se sinta bem descansado no dia seguinte, especialmente se você já tem muita coisa acontecendo.

Atividades conscientes: atividades como meditação, ioga, tocar violão ou escrever um diário podem ajudar a colocar sua mente à vontade. Uma mente tranquila geralmente tem menos probabilidade de levar a um ataque de pânico, então encontre coisas que você adora fazer e continue fazendo-as.

Cada pessoa reage de maneira diferente aos fatores de estresse, gatilhos e circunstâncias da vida. Também é verdade que todos irão mostrar resultados diferentes ao tentar essas dicas e truques para reduzir os ataques de pânico. Para alguns, adquirir novos hábitos saudáveis será exatamente o que precisam. Para outros, pode não haver muita mudança.

Se você achar que seus novos hábitos não estão atenuando a frequência de ataques de pânico, não desanime, uma vez que há outros métodos de prevenção ou, melhor ainda, tente falar com um médico ou terapeuta. Mesmo que demore alcançar um equilíbrio, ela virá em algum momento, pois o mais importante é o fato de estar tentando melhorar.

Ter ataques de pânico não é nada para se envergonhar e milhões de pessoas em todo o mundo os experimentam diariamente. Contanto que esteja tomando medidas para ser uma versão mais saudável de si mesmo, estará fazendo o seu melhor.

Sobre a autora

Marie Miguel é redatora especialista em pesquisas há quase uma década, cobrindo uma variedade de tópicos relacionados à saúde. Atualmente, ela está contribuindo para a expansão e o crescimento de um recurso online gratuito de saúde mental com a BetterHelp.com.

Com interesse e dedicação em lidar com os estigmas associados à saúde mental, Marie Miguel continua a focar especificamente em assuntos relacionados à ansiedade e à depressão.