Ciência e Saúde

Japão vai ampliar estado de emergência por Covid-19

Foto: Kim Kyung

Casos de coronavírus aumentaram no oeste, levando Osaka, Kyoto e Hyogo a buscar estado de emergência além de Tóquio.

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, pretende declarar estado de emergência para as províncias de Osaka, Kyoto e Hyogo para conter a disseminação da pandemia de Covid-19, uma vez que o país tem registrado aumento recorde de infecções diárias pelo vírus, informou a agência Reuters, citando a mídia japonesa como fonte.

A intenção do líder japonês em ampliar o alerta sanitário ocorreu na terça-feira (12), em uma reunião do partido governista, o Partido Liberal Democrata (LDP, na sigla em inglês).

“Estamos avaliando a situação agora”, disse ele ao jornal Asahi.

Em resposta à pressão de Tóquio e de três prefeituras vizinhas no leste do Japão, Suga declarou na semana passada estado de emergência de um mês para aquela região até 7 de fevereiro.

Mas o número de casos de coronavírus também aumentou no oeste, o que levou Osaka, Kyoto e Hyogo a buscar o estado de emergência também.

O governo está finalizando planos para fazê-lo na quarta-feira e também pode considerar acrescentar as prefeituras centrais de Aichi – onde fica a Toyota Motor Corp – e Gifu, informou a Kyodo, citando fontes do governo.

Adicionar essas cinco prefeituras significaria um estado de emergência para cerca de metade da população do Japão de 126 milhões de pessoas.

O principal porta-voz do governo japonês, secretário-chefe de gabinete Katsunobu Kato, não confirmou a reportagem, dizendo apenas que o governo consideraria medidas para uma “resposta rápida” para a região de Osaka.

De acordo com a lei japonesa, o primeiro-ministro pode declarar estado de emergência, o que dá às autoridades locais a base legal para pedir aos moradores e empresas que restrinjam os movimentos e o trabalho.

Suga tem sido criticado pelo que muitos chamaram de uma resposta lenta, confusa e fragmentada à pandemia, à medida que as infecções chegam a níveis recordes no país.

Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Agência Reuters.