Ciência e Saúde

Japão enfrenta grave escassez de médicos obstetras

A província de Ibaraki é a que enfrenta a pior escassez, com menos de 5 obstetras por 100 mil habitantes.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Nove das 47 províncias japonesas enfrentam uma grave escassez de médicos especializados em gestação e parto, de acordo com uma pesquisa realizada pela Sociedade Japonesa de Obstetrícia e Ginecologia.

 

Japão enfrenta grave escassez de médicos obstetras (Imagem: Reprodução/NHK/Edição MN)

A província de Ibaraki é a que enfrenta a pior escassez, com menos de 5 obstetras por 100 mil habitantes (Imagem: Reprodução/NHK/Edição MN)

 

O estudo, divulgado esta semana, usou como base seis aspectos das atividades do setor no Japão, como o número de obstetras, a quantidade de cirurgias e partos por profissional realizados até o mês de março.

As províncias de Fukushima, Chiba, Gifu, Wakayama, Hiroshima, Yamaguchi, Kagawa, Kumamoto e Oita estão abaixo da média nacional em todos os seis aspectos.

A província de Ibaraki tem o menor número de obstetras, com 4,8 médicos por 100 mil habitantes, seguida pelas províncias de Fukushima e Saitama. É um índice menor do que a média nacional, de 7,6. Tóquio e Okinawa encabeçam a lista, com 11,1 obstetras por 100 mil habitantes.

Entretanto, a média nacional do Japão é a pior entre os países desenvolvidos, como os Estados Unidos, por exemplo, em que a média nacional situa-se em mais de 20 obstetras para cada 100 mil habitantes, de acordo com dados do governo referentes à 2013.

Akihito Nakai, professor da Escola de Medicina Nippon e que liderou o levantamento, disse que há receios de um declínio maior em consequência da deterioração do sistema público de saúde no país, principalmente nos centros de atendimento médico-hospitalar de várias províncias do país.

(Com informações da NHK News.jp e agência Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta