Mitos e Lendas

O Grande Buda de Kamakura e a baleia invejosa

Grande Buda de Kamakura | ©Georgia Warley-Cummings

Uma baleia megalomaníaca ouve sobre uma estátua gigante de Buda e fica incrivelmente ciumenta, visto que não admitia nada que fosse maior do que ela.

  • 129
  •  
  •  
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  
    136
    Shares

O Grande Buda de Kamakura, ou Daibutsu, constitui, sem dúvida, uma das mais notáveis vistas do Japão. Com seus mais de 13 metros, incluindo o pedestal, a gigantesca imagem é a maior estátua de Buda no planeta feita de bronze.

Em certa época, no decorrer dos séculos XII à XIV, Kamakura foi a capital do Shogunato no Japão. Era uma grande cidade com quase um milhão de habitantes e a sede dos Xoguns (Shogun) e dos Regentes do Clã Hojo durante o conturbado período que ficou conhecido como “Período Kamakura”, época em que foi estabelecido o primeiro Shogunato no Japão.

Kamakura, em duas ocasiões, foi devastada por fortes desastres naturais, até que finalmente perdeu a sua importância política.

Atualmente, lavouras de arroz e bosques são vistos em lugar da glória de outrora. Mas a tormenta e o fogo deixaram intocados o templo de Hachimam (Deus da Guerra) e a imagem de bronze do grande Buda.

Grande Buda de bronze de Kamakura | Foto: Kenji Yamato

Em certo tempo, a imagem gigantesca de Buda repousava em um templo, mas hoje se ergue acima das árvores, com um sorriso indecifrável em seu enorme rosto, olhos plenos de paz, que jamais se deixou abalar por qualquer tempestade, conforme as duas que destruíram seu templo, mas a grande imagem manteve-se firme e alheia a todas as intempéries do tempo.

As lendas são quase sempre elementares. As Divindades, apesar de toda austeridade, trazem traços humanos.

Podemos observar na seguinte lenda do “Buda de Bronze e a Baleia” um quase patético desejo de velar a grandeza do Buda. O tamanho gigantesco do Daibutsu, com seus quase treze metros de altura e 93 toneladas (sem contar com o pedestal), não combina com a predileção do povo japonês sobre as pequenas coisas.

Há uma intrigante ironia nesta história/lenda, visto que ela parece transmitir um desejo de diminuir a grande estátua de Buda, mesmo que seja apenas em duas insignificantes polegadas.

O Grande Buda de Kamakura e a Baleia

O Buda de Kamakura sentado tem cinquenta pés de altura e noventa e sete de circunferência, com o cumprimento de seu rosto medindo oito pés e seus polegares com três pés de redondeza. Era assim que os antigos avaliavam a proporção de seu tamanho, anunciando-o como a maior de todas as coisas terrenas.

A enorme estátua causava, naturalmente, uma considerável sensação nos dias em que Kamakura era uma cidade florescente, governada pelo grande General Yoritomo.

As estradas de dentro e fora estavam apinhadas de peregrinos ansiosos por admirar a mais recente maravilha e todos concordavam que essa estátua de bronze era o que havia de maior no mundo.

A baleia descobre sobre a grande estátua de Buda

Certo dia, porém, quando alguns pescadores conversavam a respeito da grande estátua enquanto lançavam suas redes, uma enorme baleia, que vivia no Mar do Norte, ouviu o que diziam sobre a grandeza da estátua do senhor Buda.

A baleia ouve sobre a grande estátua de Buda | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

A baleia, que se considerava como a maior do que tudo que existia na terra, não gostou da possibilidade de ter um rival. Achava impossível que homens tão pequeninos tivessem a capacidade de construir algo que pudesse competir com seu enorme tamanho e riu ante o absurdo tagarelado por aqueles pescadores.

Peregrinos visitam Kamakura | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Esse riso, porém, não durou muito. A gigantesca baleia era extremamente invejosa e, ao ter a notícia do número de peregrinos que visitavam Kamakura e dos elogios infindáveis feitos por quem havia visto a estátua, ficou furiosa e chicoteou o mar enchendo-o de espuma. Ela bufava com tal força que as outras criaturas das profundezas guardaram dela a maior distância possível.

A baleia fica furiosa | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Sua solidão apenas agravou-lhe a amargura, ficando incapaz de alimentar-se e, consequentemente, emagrecia mais e mais a cada dia.

Até que um dia decidiu tocar no assunto com um gentil tubarão que respondeu as perguntas exasperadas da baleia com serena solicitude. Então, partiu para o Mar do Sul para ver se conseguia tomar as medidas da estátua e levar o resultado para a sua abalada amiga.

A baleia conversa com o tubarão | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

E assim encetou viagem até alcançar a praia onde divisou a estátua sobrepairando acima dele, apesar de estar a cerca de meio milha de distância terra adentro.

Como não podia andar em terra, estando prestes a renunciar à missão, o gentil tubarão teve a grande sorte de encontrar um rato que corria entre o junco. Explicou seu intento e pediu a pequena criatura, que ficou muito lisonjeada, para tirar as medidas do Buda de bronze.

O tubarão pede ajuda ao rato | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

O rato entrou no templo em que estava o Grande Buda e, a princípio, ficou tão impressionado com a magnificência da visão que nem sabia como proceder para atender ao pedido do tubarão.

O rato mede a estátua de Kamakura | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Por fim, decidiu circundar a estátua medindo com seus próprios passos. Depois do longo e exaustivo circuito, constatou que dera exatamente cinco mil passos, para em seguida correr até onde se encontrava o tubarão e comunicar a medida do Grande Buda.

O gentil tubarão agradeceu efusivamente ao rato, retornando ao Mar do Norte para informar a baleia de que era a mais pura verdade o que se dizia a respeito da gigantesca estátua do Buda de Kamakura.

Diante desta notícia, a baleia ficou mais furiosa ainda. E como nos contos de fadas, calçou botas mágicas para poder andar por terra tão bem quanto nadava no mar.

A baleia calça botas mágicas | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Chegou ao Templo de Kamakura à noite. Percebeu que os sacerdotes haviam ido dormir e encontravam-se em sono profundo. Bateu à porta e ao invés do sussurro de um monge meio adormecido, ouviu o próprio Senhor Buda dizer, com voz que lembrava o som de um grande sino: “Entre!”.

A baleia bate na porta de Kamakura | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

“Não posso porque sou muito grande”, respondeu a baleia, perguntando em seguida: “Você pode vir até aqui me ver?”.

Quando o Buda descobriu quem era a visitante e o que desejava naquelas altas horas da noite, condescendeu em descer do pedestal e sair do templo. De ambas as partes, houve um murmúrio de espanto.

Baleia e Kamakura se encontram | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Podemos imaginar a consternação do sumo sacerdote ao ver que a estátua de seu mestre não estava no pedestal. Escutando um barulho estranho fora do templo, saiu para ver o que estava acontecendo.

O sacerdote, muito assustado, foi convidado a participar da conversa e pediram a ele que tomasse as medidas da baleia e da estátua.

Sacerdote é convidado a medir a baleia e o Buda de Kamakura | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

Servindo-se de seu rosário, o sacerdote começou a longa medição e, enquanto o processo, as gigantescas figuras aguardavam o resultado de respiração suspensa.

Tomadas as medidas, viu-se que a baleia era duas polegadas (cerca de 5 centímetros) mais larga e mais alta que a estátua de Buda.

Sacerdote revela que a baleia é duas polegadas maior que o Grande Buda de Kamakura | Ilustração de Georgia Warley-Cummings

A baleia megalomaníaca retornou ao seu mar mais convencida do que nunca, enquanto que a estátua voltou ao seu lugar onde permanece até os dias de hoje, sem se importar com o fato de não ser tão grande como imaginavam.

Estátua do Buda de Bronze de Kamakura

O Grande Buda de Kamakura é uma monumental estátua de bronze que representa o “Amida Buda” e está localizada no templo Kotoku-in, em Kamakura, na província de Kanagawa.

Grande Buda de bronze de Kamakura | Foto: Prefeitura de Kanagawa.jp

A estátua de bronze, que é uma das poucas no Japão que não tem tapagem (ela está ao ar livre), data de 1252, no período Kamakura, de acordo com registros do templo. Antes dela, havia outra estátua de Buda, mas feita de madeira e concluída em 1243, após dez anos de trabalho contínuo.

Essa estátua de madeira foi danificada por uma tempestade em 1248, enquanto que o salão que a abrigava foi totalmente destruído. Mediante a isso, foi decidido construir uma estátua mais resistente, a altura do sagrado Buda. Segundo registros, a ideia de uma estátua de bronze surgiu do sacerdote budista Joko de Totomi.

Os registros sobre quem moldou a estátua, no entanto, conflitam, mas acredita-se que foi moldada por Ono Goroemon ou Tanji Hisatomo, ambos modeladores reconhecidos na época.

Inicialmente, a estátua era dourada e reluzente, por conta do bronze e de filamentos de ouro. Com o passar de seus quase 770 anos de existência, o dourado deu lugar a um tom esverdeado e, por vezes, azulado, mas ainda há traços de filetes de ouro perto das orelhas da estátua.

O salão que a abrigava foi destruído por uma tempestade em 1334. Depois de reconstruído, ele foi novamente danificado por outra tempestade, em 1369, e reconstruído novamente. O último edifício que abrigava a estátua foi arrastado por um tsunami em 20 de setembro de 1498, durante o período Muromachi. Desde então, o Grande Buda de Kamakura tem resistido ao ar livre.

A estátua tem aproximadamente 13,35 metros de altura e pesa cerca de 121 toneladas, incluindo o pedestal. A monumental construção é oca, o que proporciona visitações ao seu interior.

Ao longo do tempo, muitos visitantes vandalizaram a sagrada estátua, com alguns deixando mensagens em grafites nas paredes internas.

Como forma de preservar a estátua, que é considerada um dos maiores tesouros do Japão, uma placa na entrada do templo avisa:

“Visitante, quem quer que você seja e qualquer que seja o seu credo, quando entrar no santuário lembre-se que você trilha sobre terras santificadas (…). Este é o Templo de Buda e o portal da eternidade, portanto deve ser cuidadoso (respeitoso) e ter reverência (à estátua).”

Grande Buda de bronze de Kamakura | Foto: Kamakura.jp

O Grande Terremoto de Kanto de 1923 destruiu a base da estátua, mas ela foi reparada em 1925. Reparos na estátua aconteceram em 1960-61, quando o pescoço foi fortalecido e medidas foram tomadas para protegê-la de terremotos. Originalmente, havia 32 pétalas de lótus de bronze na base da estátua, mas apenas quatro permanecem.

Juntamente com o Monte Fuji, o “Grande Buda de Kamakura” é um dos maiores orgulhos dos japoneses.

Por Maria Rosa (artigo criado inicialmente em 2013)
Fontes principais
Livro: Myths Legends of Japan | Autor: F. Hadland Davis;
Ilustração: Georgia Warley-Cummings.

É permitida a reprodução desde que fornecido os devidos créditos ao Mundo-Nipo (MN), com link direcionando para mundo-nipo.com. Para reprodução com fins comerciais, leia a Restrição de uso.

  • 129
  •  
  •  
  • 7
  •  
  •  
  •  
  •  
    136
    Shares