Japão expande plano de combate a disparidade salarial de gênero

Governo vai exigir que todas as empresas com mais de 100 funcionários divulguem dados sobre a disparidade salarial de gênero, uma iniciativa que visa promover o empoderamento econômico das mulheres no país.
Trabalhadores no Japão | ©Bloomberg / Kyodo
©Bloomberg / Kyodo

O governo do Japão está considerando expandir o escopo das empresas obrigadas a divulgar dados sobre a disparidade salarial de gênero, visando abordar com maior amplitude a diferença salarial, bem como a desigualdade de gênero, entre mulheres e homens no Japão, uma das maiores entre as principais economias do planeta, informou a Kyodo na terça-feira (11).

De acordo com um plano de política para promover o empoderamento econômico das mulheres, todas as empresas com mais de 100 funcionários seriam esperadas para divulgar tais dados. O escopo atualmente cobre empresas com mais de 300 funcionários, totalizando cerca de 17.800 empresas.

Com a expansão do escopo, o número total de empresas alvo aumentaria para cerca de 50.700, de acordo com o ministério japonês do trabalho. O governo planeja apresentar um projeto de lei relacionado à sessão ordinária da Dieta em 2025 para introduzir a exigência nas empresas.

De acordo com os dados de 2023 do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar, os funcionários do sexo masculino que trabalham em tempo integral no Japão ganhavam em média 350.900 ienes ($2.200) por mês, enquanto as mulheres recebiam 262.600 ienes, representando apenas 74,8% dos ganhos dos homens.

Com base nos dados de 2022 ou mais recentes disponíveis da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a disparidade salarial de gênero era de 21,3% para o Japão, 17,0% para os Estados Unidos, 11,6% para a França e 5,7% para a Itália, entre outros países.

Acredita-se que a disparidade salarial entre os sexos no Japão seja devido ao menor número de mulheres em cargos de chefia e aos homens que, no Japão, tendem a trabalhar mais horas do que as mulheres.

No plano, o governo está instando as empresas a analisarem os fatores por trás da disparidade. Com base nos relatórios, os ministérios relevantes compilarão planos de ação para cada indústria para corrigir a situação.

O governo estabeleceu uma meta para as empresas listadas no Prime Market de primeira linha da bolsa de Tóquio para alcançar a proporção de membros do conselho feminino em 19% até 2025 e 30% ou mais até 2030.

Em 2023, a porcentagem situava em 13,4%, um número significativamente acima dos 11,4% do ano anterior, de acordo com o Gabinete do Governo.

Para atingir a meta, o último plano de política afirma que o governo realizará pesquisas nas empresas sobre a porcentagem de membros do conselho feminino e seus objetivos para a nomeação de mulheres para cargos executivos.

== Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Kyodo News Japan

Total
0
Shares
Related Posts