Economia

Japão projeta crescimento econômico de 1,5% para o ano fiscal de 2015

Por outro lado, o governo estima que a economia no ano fiscal de 2014 tenha uma contração real de 0,5% (Foto: Picture Photo)

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo com Agências

O governo do Japão anunciou nesta segunda-feira (12) suas projeções para a economia do país no ano fiscal de 2015, estabelecendo em cerca de 1,5% em termos reais sua estimativa de crescimento econômico nesse ano fiscal, que começa em abril.

A projeção vem depois de ajustes para movimentações de preços, que teve uma ligeira melhora ante a estimativa anterior, devido a uma esperada aceleração nos gastos do consumidor em meio a queda nos preços do petróleo bruto, que poderá reforçar os lucros das empresas, e potencializado pela última posição sobre o pacote de estímulo do governo para escorar a demanda doméstica.

Por outro lado, o governo estima que os preços ao consumidor irão subir apenas 1,4% no ano, em um sinal da dificuldade que o Banco do Japão (BoJ, o banco central japonês) enfrenta para atingir sua meta de inflação de 2%.

O gabinete do primeiro-ministro, Shinzo Abe, usará essas projeções para guiar suas políticas fiscal e econômica à medida que o governo tenta acelerar o crescimento após uma recessão surpresa no ano passado.

O governo projetava anteriormente que a economia registraria um crescimento real de 1,4% em 2015, mas elevou sua projeção após adiar um aumento no imposto sobre vendas marcado originalmente para outubro.

O crescimento nominal será de 2,7% no ano fiscal de 2015, pouco abaixo da expectativa anterior de 2,8%. Para o ano fiscal de 2014, que acaba em março, o governo espera que a economia tenha uma contração real de 0,5%, contra estimativa anterior de crescimento real de 1,2%, conforme as estimativas que o gabinete aprovou nesta segunda-feira.

(Com informações das agências Reuters e Kyodo)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta