Economia

Exportações do Japão atingem nível mais alto em sete meses

As exportações japonesas tiveram um aumento anual de 6,9%, a maior alta desde fevereiro.

Do Mundo-Nipo com Agências

As exportações do Japão em setembro avançaram no ritmo mais rápido em sete meses, impulsionadas pelas vendas para a Ásia, mostraram dados do governo nesta quarta-feira (22), mas sinais de desaceleração do crescimento global podem afetar a capacidade do setor comercial de estimular a terceira maior economia do mundo, mantendo a pressão por novos estímulos.

De acordo com dados preliminares do Ministério das Finanças, o aumento anual de 6,9% nas exportações em setembro ficou praticamente em linha com o ganho de 6,8% esperado por economistas, e foi a maior alta desde fevereiro. Em agosto, as exportações tiveram queda anual de 1,3%.

As exportações para a Ásia, que respondem por mais da metade dos embarques japoneses, subiram 8,1% em setembro sobre o ano anterior devido à crescente demanda por componentes eletrônicos e metais da China e do Vietnã.

“As exportações apresentaram recuperação mas ainda não estão mostrando força como tendência, uma vez que montadoras e outras empresas japonesas estão mudando a produção para o exterior e o crescimento global continua moderado”, disse Takeshi Minami, economista-chefe do Norinchukin Research Institute.

Uma série recente de dados incluindo queda da produção industrial levou o governo a cortar sua avaliação econômica na terça-feira, provocando especulações de que pode adotar novos estímulos quando decidir sobre a segunda fase do aumento do imposto sobre vendas em dezembro.

Um conselheiro econômico do primeiro-ministro, Shinzo Abe, afirmou nesta quarta-feira que o próximo aumento deveria ser adiado até abril de 2017, dado o grande risco de outro aumento à frágil economia.

(Com informações das agências Reuters e Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Deixe uma resposta