Esportes

Bélgica terá todos os titulares contra o Japão

Atacante Lukaku, da Bélgica | Foto: Reprodução/ Goal.com

O craque belga Lukaku, que sentia dores no tornozelo esquerdo, está recuperado.

O técnico da Bélgica, Roberto Martínez, confirmou que terá o craque Lukaku, bem como todos os titulares, à disposição para o jogo contra o Japão, na segunda-feira, pelas oitavas de final. É a primeira vez que isso acontece com a seleção belga na Copa do Mundo.

O atacante Lukaku, que sentia dores no tornozelo esquerdo, está recuperado. Assim como o zagueiro Vincent Kompany, que ainda não foi titular no torneio por conta de um problema na virilha – ele jogou 20 minutos contra a Inglaterra.

O único ausente do treino de véspera da partida foi o meio-campista Adnan Januzaj, que fez o gol da vitória por 1 a 0 sobre os ingleses na última quinta, quando a Bélgica jogou com o time reserva. O jogador, que não é titular, se recupera de uma pancada no joelho esquerdo.

– Estão todos prontos, exceto Januzaj. Nada sério, mas vamos ver hoje. Esperamos que todos estejam prontos. O grupo está em ótimo momento, mental e fisicamente. Estão desesperados para entrar em campo. Quando se cria essa mentalidade competitiva, é assim – afirmou Roberto Martínez.

Com todos os titulares disponíveis, Martínez pode escolher como formar o trio de zaga. Ele começou a Copa com Alderweireld, Boyata e Vertonghen. Mas Vermaelen, também recuperado de lesão, já conseguiu jogar contra a Inglaterra, e Kompany não foi descartado para começar a partida. Possível escalação: Courtois, Alderweireld, Vermaelen (Boyata) e Vertonghen; Meunier, Witsel, De Bruyne, Hazard, Mertens e Carrasco; Lukaku.

Enquanto isso, o técnico do Japão, Akira Nishino, fez muitos elogios à equipe adversária.

– Temos os 16 melhores da Copa agora, e estamos entre eles já. São muitos desafios nessas oitavas e precisamos nos desafiar. A Bélgica tem um time formidável. Tem um dos três melhores times do mundo – disse, em coletiva de imprensa.

O treinador, por outro lado, está confiante na vaga nas quartas de final. Ele garante ter enxergado falhas na seleção que teve a melhor campanha da fase de grupos, com 100% de aproveitamento e sete gols de saldo (nove a favor e dois contra).

– Analisamos tudo deles. São muitas grandes estrelas de times europeus. A Bélgica é provavelmente melhor e tem muitos trunfos, mas tenho certeza de que eles têm falhas, e eu gostaria de aproveitá-las.

O Japão chegou às oitavas de final em 2002 e 2010, sendo eliminado por Turquia e Paraguai, respectivamente. Contra a Bélgica, a missão de passar às quartas parece ser ainda mais difícil. Nada que abale o sentimento positivo de Akira Nishino.

– Estivemos nas oitavas duas vezes no passado. Mas acho que desta vez é diferente. Acho que ainda não estamos exaustos e podemos criar novas oportunidades. Juntos, queremos criar algo amanhã – comentou.

Na fase de grupos, o Japão venceu a Colômbia por 2 a 1, empatou com Senegal por 2 a 2 e perdeu para a Polônia por 1 a 0. O comandante fez uma análise da campanha e contou o que espera contra a Bélgica.

– Fomos muito táticos no progresso na primeira fase, principalmente na primeira partida. Nós podemos ser agressivos agora, temos essa mentalidade e o espírito. Talvez a Bélgica sinta que a competição está começando agora. Queremos estar equiparados com eles mentalmente. Jogamos nosso melhor na fase de grupos, mas nossos jogadores ainda têm algo mais a oferecer, é o que sinto. Quero sentir nosso poder contra a Bélgica – finalizou.

Bélgica e Japão se enfrentam às 15h desta segunda-feira (horário de Brasília), em Rostov. O vencedor vai encarar nas quartas quem sair do confronto entre Brasil e México.

Com informações do Globo Esporte.