Esportes

Tóquio encerra os Jogos Olímpicos e passa bastão para Paris

©Kyodo

Cerimônia de Encerramento aconteceu sem público e com pouco atletas, mas o clima foi de festa, com show de luzes, fogos e muita música.

As Olimpíadas de Tóquio foram encerradas neste domingo (8), após mais de duas semanas de competições realizadas em meio a restrições sanitárias, a portas fechadas, com feitos atléticos realizados para um mundo ainda lutando contra a pandemia de Covid-19.

A Cerimônia de Encerramento dos Jogos de Tóquio aconteceu sem público nas arquibancadas, mas em clima de festa com direito a fogos de artifício, show de luzes e muita música, com os japoneses passando o bastão para os franceses e dando início a contagem regressiva para as Olimpíadas de Paris 2024, daqui a 1.083 dias.

Cerimônia teve show de fogos e luzes | ©Kyodo

A chama olímpica foi apagada depois de 17 dias de disputas nas arenas de Tóquio. Para o Comitê Olímpico Internacional (COI) e para o Comitê Organizador dos Jogos, ter conseguido realizar as Olimpíadas em tempos de pandemia do coronavírus foi um desafio superado. Uma barreira que todos esperam que não se repita a caminho dos Jogos de Paris, em 2024.

A governadora de Tóquio, Yuriko Koike, entregou a bandeira olímpica para Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), que passou o pavilhão para Anne Hidalgo, prefeita de Paris. A simbólica passagem de bastão.

Governadora de Tóquio, Yuriko Koike (E), e o presidente do COI, Thomas Bach (C), observam a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, balançar a bandeira olímpica | ©Takaki Kashiwabara

A cerimônia de encerramento acabou com uma chamada para as Paralimpíadas de Tóquio. A abertura dos Jogos Paralímpicos está programada para o dia 24 de agosto.

Por causa da pandemia do coronavírus, o Japão teve de reduzir os custos das cerimônias de abertura e encerramento. Ainda assim, a festa deste domingo foi marcada por um show de luzes na formação dos aros olímpicos, simbolizando a energia de todos os torcedores que não puderam estar nas arquibancadas.

A apresentação da popular cantora Milet foi marcada por um incrível show de luzes | ©Kyodo

Muita música japonesa também transportou os atletas um pouco para perto da cidade de Tóquio que eles não puderam conhecer por causa da pandemia do coronavírus. Os participantes dos Jogos só podiam se deslocar entre as arenas e a Vila Olímpica.

O encerramento contou com muita dança, música e diferentes performance de tako, tradicional instrumento japonês de percussão | ©Kyodo
Bandeira e hino do Japão

A bandeira do Japão entrou no Estádio Olímpico carregada por Ryo Kiyuna, medalhista de ouro do karate (caratê), na modalidade do kata. Ao lado dele estava mais trêsatletas do país, um profissional da saúde e uma pessoa com deficiência que vai participar da Cerimônia de Abertura das Paralimpíadas. O hino do país foi cantado pelo grupo feminino Takarazuka Revue.

Carateca Ryo Kiyuna, ouro no kata, foi escolhido para carregar a bandeira do Japão | ©Kyodo
Rebeca Andrade carrega a bandeira do Brasil
Rebeca Andrade, medalhista de ouro e prata na ginástica artística, foi a porta-bandeira do Brasil | Foto: Divulgação / COB

Assim como na Cerimônia de Abertura, a participação do Brasil foi reduzida para evitar surto de coronavírus. Rebeca Andrade foi a porta-bandeira em reconhecimento às conquistas da ginasta, prata no individual geral e ouro no salto. Campeão no boxe, Hebert Conceição foi o representante masculino dos atletas do Brasil. Francisco Porath, técnico de Rebeca, representou os treinadores do Brasil.

== Mundo-Nipo (MN)
Fontes: Kyodo News | Ge Olimpíadas.