Esportes

Ex-técnico quer 20% de todo dinheiro ganho pela tenista Naomi Osaka

Naomi Osaka | Creative Commons

A tenista japonesa, que é a número 1 do mundo, desconhecia um acordo feito pelo pai com o ex-técnico quando ela era adolescente.

A tenista japonesa Naomi Osaka está sendo processada por Cristophe Jean, seu ex-técnico, que exige 20% de todo o dinheiro que ela ganhou na carreira, informou a agência Efe, citando a imprensa dos Estados Unidos como fonte.

Naomi, que é a primeira tenista japonesa a ocupar o posto de número 1 do ranking mundial de tênis, contratou Alex Spiro, chamado de “advogado das estrelas” para atuar no caso. O responsável pela defesa, inclusive, já classificou a ação como “absurda”, já que Naomi não sabia de um antigo acordo feito pelo pai com o ex-técnico.

De acordo com a denúncia, que foi apresentada em um tribunal da Flórida no último dia 20 deste mês, Jean foi contratado para dar aulas à tenista, quando ela tinha apenas 14 anos. O pai de Naomi, segundo a acusação, assinou um acordo em que dava ao treinador o direito a receber 20% de tudo que ela e a irmã, 338ª na classificação da WTA, obtivessem em prêmios e patrocínios.

O ex-técnico aponta que o pai da tenista fez tal acordo por não ter condições de pagar aulas para as duas jovens. Jean afirmou à imprensa que o termo consta em uma cópia do contrato, que foi anexado ao processo.

“Não é surpresa que a ascensão meteórica de Naomi, como ícone e inspiração internacional, venha acompanhada de uma falsa afirmação. Este estúpido ‘contrato’, que Osaka nunca viu ou assinou, é, particularmente, absurdo”, afirmou Alex Spiro.

Saiba mais
»
 Naomi Osaka vence Austrálian Open e pula para 1ª do mundo

Naomi, de 21 anos, foi campeã do US Open no ano passado e do Aberto da Austrália, disputado em janeiro. Ela nasceu em Osaka, no Japão, mas é filha de pai haitiano e mãe japonesa, tendo dupla nacionalidade. A japonesa conta com cidadania americana, mas no circuito profissional, no entanto, ela defende a bandeira do Japão.

Com informações da Agência Efe.