Meio ambiente e Energia

Arroz de Fukushima supera todos os controles de radiação pela 1ª vez desde 2011

Todo o arroz produzido na província registraram um nível de radiação bem abaixo da média nacional.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Todo o arroz cultivado na província de Fukushima superou pela primeira vez todos os controles de níveis de radiação iniciados após a crise nuclear de 2011. Segundo noticiou ontem (3) o jornal ‘The Asahi Shimbun’, em 2014, um total de 10,75 milhões de sacos de arroz cultivados em Fukushima foram submetidos a testes de radiação e todos registraram menos de 100 becquerel por quilograma, um nível bem abaixo da média nacional.

Os governos de cidades em Fukushima começaram a controlar todo o arroz produzido na província depois que o terremoto seguido de tsunami em março de 2011 provocaram uma das maiores crises nucleares da história, o que forçou a evacuação de centenas de milhares de pessoas e afetou gravemente a agricultura e a pesca local.

Em 2012, um total de 190 dispositivos foram instalados por toda a província para medir os níveis de radiação do arroz cultivado na região. Nesse mesmo ano, 71 sacos de arroz excediam os padrões de segurança, enquanto em 2013 foram 28 os que superavam os níveis estabelecidos pelo governo central.

Todos os sacos que não cumprem com os níveis recomendados são destruídos, enquanto os que os superam recebem um selo de garantia.
Os produtores de Fukushima provaram desde a crise nuclear vários métodos para reduzir a radiação no arroz como mudar os fertilizantes utilizados de modo que o césio radioativo não seja absorvido pela planta.

Apesar dos excelentes resultados de 2014, as autoridades de Fukushima devem continuar com o programa de testes de radiação, conforme noticiou o Asahi.

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta