Meio ambiente e Energia Notícias

Japão prevê que 50% de sua energia será renovável até 2050

Parque Eólico de Ohorayama | ©Sumitomo

Para triplicar sua participação de energias renováveis, o Japão investirá pesado em energia eólica e usinas termelétricas à hidrogênio.

  • 513
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    514
    Shares

O Japão divulgou um plano para atingir sua meta de reduzir emissões de gases do efeito estufa a zero até 2050, que prevê a triplicação da participação de energias renováveis no país, aumentando para pelo menos 50% até o meio do século, informou o jornal Nikkei Asia.

O governo estima que sua estratégia de crescimento verde gerará 190 trilhões de ienes (US$ 1,83 trilhão) em efeitos econômicos em 2050. O roadmap lista desafios e soluções em 14 campos principais, incluindo hidrogênio e parques eólicos offshore. Ele exige emissões líquidas médias de zero em novos edifícios e construções residenciais até 2030, além do fim de todas as vendas de novos veículos movidos a gasolina até meados dessa década.

Japão promete reduzir emissões de carbono a zero até 2050

A mudança prevista de energia gerada por meio de combustíveis fósseis em toda a economia japonesa deve aumentar a demanda de eletricidade entre 30% e 50%. Isso torna o fim da dependência das empresas de energia em usinas movidas a carvão e o aumento acentuado da adoção de energias renováveis, o que será ​​uma etapa crucial do plano.

O foco na descarbonização “não é uma restrição ao crescimento”, disse o primeiro-ministro Yoshihide Suga em entrevista coletiva na sexta-feira. O investimento para atingir as “metas de emissões zero” vai gerar um novo crescimento econômico que, por sua vez, estimulará mais investimentos, criando assim um ciclo virtuoso, argumentou.

O governo pretende aumentar a agora mínima capacidade de energia eólica do Japão para até 45 gigawatts até 2040 – superando a Alemanha, líder em energia renovável.

O projeto também estabelece meta de consumir cerca de 20 milhões de toneladas de hidrogênio em 2050, com usinas termelétricas que usam o combustível de queima limpa, gerando 20% da eletricidade do Japão. Reduzir o custo do hidrogênio, que agora é várias vezes mais caro que o gás natural, a níveis competitivos, aumentando a demanda, o que será fundamental.

Tóquio está tentando alcançar as principais economias europeias, como Alemanha, Reino Unido e Espanha, que obtêm cerca de 40% de sua energia de fontes renováveis. A meta de 50% a 60% é vista como o máximo que o Japão pode alcançar, dadas as limitações como a escassez de terras utilizáveis, o que impede a adoção de usinas hidroelétricas.

Automóveis – incluindo minicarros de baixo custo – são outro ponto crucial do plano. O Japão é há muito tempo líder mundial em carros convencionais movidos a gasolina, e mudar para a tecnologia verde provavelmente levará tempo.

“Não consigo ver isso sendo alcançado sem uma inovação tecnológica revolucionária”, disse Akio Toyoda, presidente da Associação de Fabricantes de Automóveis do Japão e presidente da Toyota Motor.

“Podemos arriscar perder nossa competitividade internacional sem esforços em toda a cadeia de abastecimento”, disse.

A mudança pode ser problemática para a enorme rede de fornecedores de peças da indústria, até porque os veículos elétricos usam a metade dos componentes dos motores de combustão.

E “se os automóveis se tornarem como eletrodomésticos”, então “o Japão pode perder sua vantagem” à medida que se torna mais fácil para os fabricantes adquirir peças de todo o mundo, disse Toshihiro Nagahama, do Dai-ichi Life Research Institute.

“O governo precisará fornecer apoio, incluindo capital, às indústrias relacionadas”, completou.

Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Nikkei Asia.

  • 513
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    514
    Shares