Notícias Política

Fumio Kishida assume o cargo de primeiro-ministro do Japão

©Kyodo

Kishida, de 64 anos, é o 100º primeiro-ministro do Japão. Ele substituiu Yoshihide Suga, que renunciou no mês passado.

O ex-ministro japonês do Exterior, Fumio Kishida, assumiu o cargo de primeiro-ministro do Japão nesta segunda-feira (04), depois de ganhar a maioria dos votos nas duas casas do Parlamento Japonês. O novo premiê prometeu manter a Covid-19 sob controle e reavivar a economia abalada pela pandemia.

A eleição para a Câmara dos Representantes, a Câmara Baixa do Parlamento, está marcada para 31 de outubro, de acordo com pessoas familiarizadas com Kishida, antes da primeira quinzena de novembro, como era esperado, conforme noticiou a Kyodo News.

Kishida, de 64 anos, é o 100º primeiro-ministro do Japão e substituiu Yoshihide Suga, que renunciou após pouco mais de um ano no cargo em meio a críticas à sua resposta à pandemia.

A nova formação do Gabinete incluiu uma série de rostos novos, com 13 de seus 20 membros assumindo um cargo ministerial pela primeira vez. Enquanto isso, Taro Aso deixa seu papel como ministro das finanças pela primeira vez em quase nove anos.

A idade média, entretanto, é relativamente alta, 61,8 anos e há apenas três mulheres. Além disso, a nova equipe apresenta muitos que têm laços estreitos com o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe e Taro Aso.

Kishida nomeou o ministro das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, e o ministro da Defesa Nobuo Kishi, irmão mais novo de Abe, enquanto designava o ex-ministro das Olimpíadas Shunichi Suzuki, cunhado de Aso, como ministro das finanças e Hirokazu Matsuno, ex-ministro da educação, como secretário-chefe do Gabinete.

“Este é o verdadeiro ponto de partida. Seguirei com um forte senso de determinação, com uma resolução forte”, disse Kishida a repórteres pela manhã na sede do Partido Liberal Democrata (PLD), que o escolheu como seu novo líder na semana passada.

Depois de ser eleito primeiro-ministro por uma maioria retumbante em ambas as Câmaras da Dieta, Kishida foi formalmente investido com o título pelo Imperador Naruhito em uma cerimônia no Palácio Imperial e deve dar uma entrevista coletiva às 21h.

Dissolução e eleições

De acordo com a Kyodo, Kishida planeja dissolver a Câmara Baixa em 14 de outubro e iniciar o período de campanha para as eleições gerais em 19 de outubro. Será seu primeiro grande teste no cargo, no qual ele precisará desafiar sua imagem como um construtor de consenso discreto que luta para entusiasmar os eleitores.

Abertura e promessas

Com cerca de 60% da população do Japão totalmente vacinada e casos de Covid-19 em declínio, a tarefa imediata de Kishida será prevenir outro surto de infecções ao mesmo tempo em que suspende gradualmente as restrições às atividades sociais e comerciais e reabre a fronteira para viajantes estrangeiros.

Kishida prometeu aumentar a renda da classe média e romper com as “políticas neoliberais” das últimas duas décadas, que ele disse “criar uma divisão entre os que têm e os que não têm”.

Isso sugere uma correção de curso da combinação de políticas “Abenomics” perseguida por Suga e seu predecessor Abe, que ajudou a elevar os ganhos corporativos e os preços das ações, mas fez pouco para estimular o crescimento dos salários.

Kishida também prometeu elaborar um pacote econômico no valor de “dezenas de trilhões de ienes” neste ano para lidar com a pandemia.

Indecisão

Não está claro quanta mudança social haverá sob o governo de Kishida, um moderador que pediu um debate mais aprofundado sobre permitir que casais tenham sobrenomes diferentes e que está “indeciso” sobre se o casamento entre pessoas do mesmo sexo deve ser legalmente reconhecido.

Pacto militar com os EUA

Tendo atuado como ministro das Relações Exteriores de 2012 a 2017, Kishida ressaltou a importância de realizar o acordo Indo-Pacífico (que inclui os oceanos Índico e Pacífico) livre e aberto para continuar a cooperação com os Estados Unidos e assim lidar com a crescente assertividade da China, bem como a recente retomada dos testes de mísseis pela Coreia do Norte.

Vindo de uma família política em Hiroshima, ele prometeu impulsionar os esforços para livrar o mundo das armas nucleares, enquanto argumenta que o Japão deveria considerar dar às Forças de Autodefesa a capacidade de realizar ataques com mísseis em bases inimigas hostis.

Novo Gabinete

Muitos dos membros do gabinete de Kishida pertencem a uma das facções do PLD que o apoiaram na corrida pela liderança, incluindo uma liderada por Aso, que agora é vice-presidente do partido, e outra sobre a qual Abe, um conservador ferrenho, exerce forte influência.

Koichi Hagiuda, um aliado próximo de Abe, foi nomeado ministro do comércio e da indústria, enquanto Daishiro Yamagiwa, membro da facção Aso, foi escolhido para ministro da política econômica e fiscal.

As três mulheres no Gabinete são a ministra da vacinação, Noriko Horiuchi, Seiko Noda, a ministra responsável pela igualdade de gênero e políticas infantis, e a ministra da reforma administrativa, Karen Makishima, de 44 anos, membro mais jovem do governo de Kishida.

Takayuki Kobayashi assume um novo cargo com foco na segurança econômica, com a tarefa de redigir medidas para evitar o roubo de propriedade intelectual do exterior.

Antigo Gabinete

O Gabinete de Suga renunciou em massa na segunda-feira de manhã, 384 dias após sua formação, tornando-o o 12º primeiro-ministro com menor mandato no pós-guerra.

Os repetidos estados de emergência do Covid-19 e a má comunicação das políticas fizeram com que os índices de aprovação de seu gabinete despencassem, com as Olimpíadas de Tóquio e o ritmo acelerado das vacinações fazendo pouco para melhorar o sentimento.

A Dieta convocou uma sessão extraordinária à tarde para escolher um sucessor. No entanto, a votação foi pouco mais do que uma formalidade, já que a coalizão governante liderada pelo PLD tem maioria em ambas as Câmaras.

Vitória

Kishida recebeu 311 de 458 votos na Câmara dos Representantes e 141 de 241 votos na Câmara dos Conselheiros.

A eleição geral será fundamental para ele evitar um destino semelhante ao de Suga. Embora o PLD e seu parceiro de coalizão, o partido Komeito, provavelmente não percam a maioria na câmara baixa, as forças da oposição, incluindo o Partido Democrático Constitucional do Japão, podem roubar algumas cadeiras consolidando candidatos, dizem analistas políticos.

Ainda de acordo com a Kyodo, o momento da votação significa que Kishida irá ignorar a cúpula do Grupo dos 20 que será realizada em Roma no final do mês, de acordo com pessoas a par do assunto. Ele planeja participar de uma conferência da ONU sobre mudança climática programada para ocorrer de 31 de outubro a 12 de novembro em Glasgow, na Escócia.

== Kyodo /Tradução Mundo-Nipo (MN).