Oposição do Japão intensifica ofensiva contra o premiê Kishida

Fumio Kishida está envolvido em várias polêmicas, incluindo os laços suspeitos de seu partido com a duvidosa Igreja da Unificação e a nomeação de seu filho à secretário executivo.
Primeiro-ministro Fumio Kishida | Reprodução/Kyodo
Primeiro-ministro Fumio Kishida | Reprodução/Kyodo

Os partidos de oposição no Japão intensificaram, nesta quarta-feira (5), suas ofensivas contra o primeiro-ministro Fumio Kishida, que esteve envolvido em várias controvérsias, incluindo os laços suspeitos de seu partido no poder com a duvidosa Igreja da Unificação e o aparente favoritismo em relação a seu filho, informou a Kyodo News.

Durante o primeiro debate parlamentar completo desde que Kishida reorganizou seu gabinete em agosto, o primeiro-ministro recusou um pedido do bloco de oposição para substituir um membro do gabinete com ligações questionáveis ​​com o grupo religioso.

Kishida afirmou que a recente nomeação de seu filho mais velho, ex-funcionário da japonesa Mitsui & Co, na casa dos 30 anos, como secretário executivo do primeiro-ministro, foi decidida com base na ideia de “colocar a pessoa certa no lugar certo”.

O líder japonês também prometeu impor sanções à Coreia do Norte, que disparou um míssil balístico que atravessou o Japão pela primeira vez em cinco anos.

Kenta Izumi, líder do principal partido da oposição, o Partido Democrático Constitucional do Japão, instou o primeiro-ministro a demitir o ministro da Economia Daishiro Yamagiwa, que tem sido criticado por explicações falaciosas sobre suas ligações com a polêmica Igreja da Unificação.

Kishida disse que Yamagiwa admitiu suas conexões com o grupo religioso e prometeu cortar os laços com a organização. O premiê também pediu que Yamagiwa continue dando explicações satisfatórias sobre a questão que provocou uma recente queda nos índices de apoio público ao seu Gabinete.

“Para restaurar a confiança do público, tomaremos medidas adequadas” para que os legisladores do Partido Liberal Democrata (PLD) em todo o país “jamais tenham conexões” com o grupo, disse Kishida.

Em resposta à pergunta de um parlamentar da oposição no parlamento, Yamagiwa disse que participou de eventos organizados pela Igreja da Unificação e seus grupos afiliados, acrescentando que “refletiu sinceramente sobre” seu comportamento passado.

A organização religiosa, agora formalmente conhecida como Federação da Família para a Paz e Unificação Mundial, foi estabelecida por um anticomunista convicto na Coreia do Sul em 1954.

As conexões entre os membros do PLD, liderado por Kishida, e a Igreja da Unificação estão sob escrutínio, despertando preocupações de que o grupo contencioso possa ter procurado exercer influência política aprofundando as relações com os legisladores do partido no poder.

Os resultados de uma investigação interna divulgada no mês passado mostraram que cerca de metade dos legisladores do PLD tinham alguma ligação com a organização religiosa.

A sessão extraordinária da Dieta começou na última segunda-feira, quando Kishida enfrentou uma série de contratempos, incluindo a questão da Igreja da Unificação e um controverso funeral de estado para o ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, que foi morto a tiros durante um discurso de campanha eleitoral em julho.

A Igreja da Unificação ficou sob os holofotes depois que o atirador que matou Abe disse que guardava rancor contra o grupo e mirou o ex-líder, que apareceu em uma mensagem de vídeo transmitida em um evento realizado por um grupo afiliado à organização em 2021.

O agressor de Abe, Tetsuya Yamagami, também foi citado por fontes investigativas dizendo que as doações substanciais de sua mãe ao grupo arruinaram as finanças de sua família.

Em agosto, Kishida reorganizou seu Gabinete para substituir ministros que foram confirmados como tendo algum relacionamento com a Igreja da Unificação. Yamagiwa, que foi nomeado pela primeira vez como ministro no ano passado, permaneceu em seu cargo, pois não detalhou seus laços com a igreja.

Os índices de aprovação do Gabinete de Kishida foram relativamente altos por cerca de 10 meses desde que ele assumiu o cargo em outubro de 2021. No entanto, o assunto da Igreja da Unificação fez com que a popularidade de seu governo sofresse um impacto substancial.

Repercussão do míssil balístico lançado pela Coreia do Norte sobre o Japão

Enquanto isso, nesta quarta-feira (5), a Câmara dos Deputados adotou uma resolução protestando contra o mais recente lançamento de míssil balístico da Coreia do Norte, descrevendo-o como uma “ameaça grave e iminente”, sendo “totalmente inaceitável”.

Na terça-feira (3), a Coreia do Norte disparou um míssil balístico que voou 4.600 quilômetros, atingindo a maior distância já alcançada por um míssil lançado por Pyongyang.

No parlamento, Kishida expressou sua disposição de resolver a questão de longa data dos sequestros de cidadãos japoneses pela Coreia do Norte nas décadas de 1970 e 1980, ao mesmo tempo em que enfatizou sua disposição de manter conversas com o líder Kim Jong Un.

Os predecessores de Kishida, Abe e Yoshihide Suga reiteraram afirmações semelhantes, mas uma cúpula entre o Japão e a Coreia do Norte não é realizada há mais de 20 anos.

Polêmica sobre o “grandioso” funeral de Shinzo Abe

Quanto ao evento de Abe no final de setembro, o primeiro do tipo para um ex-primeiro-ministro em 55 anos, os parlamentares da oposição argumentaram que não havia base legal para a realização de tal cerimônia financiada com dinheiro dos contribuintes.

Kishida disse no parlamento que seu governo considerará diretrizes para funerais de estado para ex-primeiros-ministros.

Em outro desenvolvimento, o PLD sondaria o ex-primeiro-ministro Yoshihiko Noda, antecessor imediato de Abe em seu segundo mandato como primeiro-ministro, por fazer um discurso memorial na sessão parlamentar em andamento.

O partido governista havia inicialmente proposto o ex-ministro da Economia Akira Amari, um assessor próximo de Abe, desempenhar o papel na sessão anterior da Dieta. Mas o partido decidiu renunciar ao plano em meio a críticas crescentes a Amari por alegações de corrupção, conforme noticiou a Kyodo News.

== Mundo-Nipo (MN)

Total
11
Shares
Previous Article
Imperador Naruhito | Foto: Distribuição da Agência da Casa Imperial

Saúde do imperador do Japão preocupa após resultado de exame de próstata

Next Article
Emprego no Japão / Vagas em Destaque | Depositphotos / Montagem Mundo-Nipo

Emprego no Japão: vagas em fábrica de obento; não exige falar japonês

Related Posts