Política

Premiê japonês viaja para participar de reuniões de cúpula em Haia

Além de um encontro trilateral com os líderes de Coreia do Sul e EUA, Abe vai participar de cúpula sobre segurança nuclear e reunião do G7.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

Shinzo Abe parte para Haia em 23 de março (Foto: Kyodo)

Shinzo Abe partiu para Haia neste domingo (Foto: Kyodo)

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, partiu para Haia na manhã deste domingo (23) onde vai participar de uma cúpula sobre segurança nuclear, na qual dirigentes de 52 outras nações estarão participando, e a cúpula do grupo G7, que visa discutir a situação na Ucrânia. Ambas estão à margem de uma reunião no qual o premiê japonês espera se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a presidente sul-coreana Park Geun-hye.

A reunião, marcada para terça-feira (25), segundo dia da cimeira de dois dias sobre segurança nuclear, será a primeira oportunidade para os líderes de Japão e Coreia do Sul introduzirem conversações oficiais desde que Abe assumiu o cargo de premiê, a pouco mais de um ano atrás.

Durante a sua estada em Haia, Abe também irá participar de uma cúpula do G7, na qual discutirão sobre a situação da Ucrânia após a decisão da Rússia de anexar Crimeia. O grupo do G7 é formado por Grã-Bretanha, Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos.

Antes de embarcar, Abe disse a repórteres no aeroporto de Haneda que Japão irá apoiar a Ucrânia em cooperação com a comunidade internacional. “Não podemos tolerar qualquer tentativa de alterar o status quo diante de uma ameaça de força”, disse ele.

Por outro lado, Abe acrescentou que “o Japão vai tentar comunicar-se bem com a Rússia, mantendo um contato estreito com os aliados do G7”, indicando a sua intenção de manter uma relação com o presidente russo, Vladimir Putin.

Antes da reunião trilateral, com os EUA e Coreia do Norte, e a reunião do G7, Abe pretende visitar o Museu da Casa de Anne Frank, em Amsterdã. O objetivo do premiê é destacar a amizade do Japão com a comunidade judaica.

A Casa de Anne Frank é onde a menina judia de origem alemã manteve um diário de sua vida, antes de ser descoberta e enviada para um campo de concentração nazista, local no qual morreu e atualmente é um dos mais conhecidos monumentos da Europa para as vítimas do Holocausto, atraindo mais de um milhão de visitantes por ano.

Abe será o líder mundial mais importante a visitar a Casa de Anne Frank desde que o presidente de Israel, Shimon Peres, o ex-presidente alemão, Christian Wulff, e ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan.

“Abe parece mais sensível às críticas ocidentais do que aqueles provenientes da China ou da Coreia do Sul, em particular da comunidade judaica americana, representada pelo Centro Simon Wiesenthal,” disse Koichi Nakano, professor da Universidade de Sophia, à Reuters em um email.

Um funcionário do Museu Anne Frank House disse que a história da jovem judia é bem conhecida no Japão e mais de 33.000 turistas japoneses visitaram a casa no ano passado.

A visita de Abe ao museu vem depois de uma série de incidentes nos últimos meses no Japão, em que várias cópias do diário de Anne Frank foram vandalizadas em bibliotecas públicas do país. Um suspeito foi preso.

Um funcionário do governo disse a repórteres na semana passada que não há ligação direta entre os incidentes e a visita de Abe, mas afirmou que o premiê japonês quer transmitir a mensagem de que a população japonesa está constrangida pelo vandalismo.

Antes de sua partida no aeroporto de Haneda, enquanto isso, Abe disse que espera que a cúpula trilateral com Seul e Washington serva como “um primeiro passo para uma relação promissora entre Japão e Coreia do Sul.

“Quero ter discussões francas [com Park e Obama] sobre a situação no Leste da Ásia e também sobre questões de segurança”, acrescentou.

Abe assumiu o cargo em dezembro de 2012, enquanto Park foi eleita em fevereiro de 2013. Entretanto, eles não têm sido desde capaz de realizar uma reunião formal, já que as relações entre os dois países têm sido tensas devido a questões de história e territoriais.

(Do Mundo-Nipo com Agências)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta