Política

Premiê japonês instrui gabinete a ‘fazer o possível’ para libertar refém

Abe disse hoje que está fazendo o possível pela libertação do refém, mas reiterou sua posição de que não cederá ao terrorismo.

Do Mundo-Nipo

Shinzo Abe (Foto: Kyodo)

Apesar de esforços pela libertação do refém, Abe reafirmou que não irá ceder ao terrorismo (Foto: Kyodo)

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que instruiu seu gabinete à “fazer o possível” para libertar um jornalista japonês capturado pelo Estado Islâmico, que divulgou, no último sábado, uma gravação sugerindo que outro refém japonês havia sido executado.

Depois de uma reunião com seu gabinete na manhã desta segunda-feira (26), Abe disse estar ciente da imensurável dor e pesar que a família do refém executado, Haruna Yukawa, deve estar sentindo, afirmando ainda que os membros de seu gabinete vão cooperar e tomar todas as “medidas possíveis” para conseguir libertar o refém japonês Kenji Goto o quanto antes.

“Instrui (gabinete) à fazer o possível para que Kenji Goto seja liberto o quanto antes”, declarou o premiê, conforme noticiou hoje a agência Kyodo.

No domingo (25), Abe disse que a execução do refém pelas mãos de militares do grupo radical Estado Islâmico é inaceitável, reiterando seu apelo pela libertação do outro refém em cativeiro. Entretanto, o premiê afirmou que o Japão não se renderá ao terrorismo.

O primeiro ministro fez as declarações em um canal público, na emissora estatal NHK, depois de atestado a veracidade do vídeo difundido pela internet, no qual mostrava que o refém japonês Haruna Yukawa havia sido assassinado (decapitado) pelo Estado Islâmico.

Refém  Kenji Goto (Foto: Kyodo)

O vídeo divulgado no sábado é composto por uma imagem fixa do refém Kenji Goto, segurando uma foto que exibia Haruna Yukawa, assassinado pelo Estado Islâmico (Foto: Kyodo)

Em uma gravação de áudio, o segundo refém, o jornalista Kenji Goto, disse que sua vida poderia ser salva por meio da libertação de Sajida al-Rishawi, um iraquiano detido em Iraque e vinculado a al-Quaeda.

De acordo com declarações de amigos e colegas de trabalho, Haruna Yukawa foi capturado pelos militantes em agosto de 2014, depois que foi à Síria com planos de abrir o que ele descreveu ser uma empresa de segurança. Já o jornalista Goto, um veterano correspondente de guerra, entrou na Síria no fim de outubro para garantir a libertação de Yukawa.

O prazo dado por militantes do Estado Islâmico para o Japão pagar um resgate de US$ 200 milhões pelos dois japoneses acabou na última sexta-feira. Abe, no entanto, não explicou como pretende negociar a libertação de Goto, que antes era mediante ao pagamento do resgate e agora envolve uma troca pelo militante iraquiano vinculado a al-Quaeda.

Fontes: NHK News / Agência Reuters / Agência Kyodo

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Deixe uma resposta