Política

Vice-premiê diz que Japão deveria aprender com os nazistas sobre reformas

Não é a primeira vez que Taro Aso faz declarações infelizes.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

O vice-primeiro-ministro do Japão e ministro das Finanças, Taro Aso, foi duramente criticado por sugerir que a reforma constitucional japonesa siga o exemplo da Alemanha nazista.

 

Taro Aso, vice-primeiro-ministro do Japão e ministro das Finanças (Foto: AFLO)

Taro Aso, vice-primeiro-ministro do Japão e ministro das Finanças (Foto: AFLO)

 

De acordo com a imprensa japonesa, Aso disse em um discurso realizado na segunda-feira (29) que “a mídia começou a fazer barulho sobre reformas propostas no Japão, e, em seguida, China e Coréia do Sul seguiram o exemplo”.

“A Constituição alemã de Weimar mudou, sem ser notada, para a constituição alemã nazista. Por que não podemos aprender com suas táticas? “, teria dito o ministro.

O secretário chefe de Gabinete, Yoshihide Suga, principal porta-voz do governo japonês, recusou-se nesta quarta-feira se a responder perguntas da imprensa sobre os comentários, dizendo que “o vice-primeiro-ministro Aso deve responder a essa pergunta”.

O Partido Liberal Democrata (PLD) do primeiro-ministro Shinzo Abe quer rever a Constituição Pacifista do Japão, imposta pelos Estados Unidos, para reforçar a força de defesa do país. Mas isso provocou preocupação aos vizinhos China e Coreia do Sul, que mantém disputas territoriais com o governo japonês e acusam o mesmo nunca ter assumido seu passado militarista.

Não é a primeira vez que Taro Aso faz declarações infelizes. No início deste ano ele disse que idosos deveriam “apressar-se e morrer” para evitar a tributação do sistema de saúde do país.

 

Para saber mais sobre Política, clique em mundo-nipo.com/politica. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta