Sociedade

Dezenas de médicos têm registros caçados por crimes cometidos no Japão

Os crimes incluem, entre outros, assédio sexual contra pacientes, estelionato, porte de drogas e até assassinato.

Do Mundo-Nipo

Dezenas de médicos tiveram seus registros profissionais cassados no Japão por diversos tipos de crimes, que incluem assédio sexual contra pacientes, porte de drogas e estelionato, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde do país, informou neste sábado (4) a imprensa japonesa.

 

Médico mostrando estetoscópio (Foto: Aflo Images)

Trata-se do maior número de cassações emitidas pelo ministério de uma só vez (Foto: Aflo Images)

 

De acordo com o Agência Kyodo, o ministério puniu 35 médicos, incluindo odontologistas. Seis deles tiveram os diplomas cassados definitivamente e não poderão mais atuar como profissionais. Trata-se do maior número de cassações emitidas pelo ministério de uma só vez.

Segundo a emissora pública ‘NHK’, o caso mais grave envolve Tomohiro Shingo, de 53 anos, que perdeu o diploma de médico em caráter definitivo após ser condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato da proprietária do hospital onde trabalhava, em Sasebo, na província de Nagasaki. Segundo a emissora, a mulher era sogra de Shingo.

Shigehiko Imakawa, de 59 anos, é outro médico que teve o registro cassado definitivamente.  A emissora relata que o ex-professor do Hospital Universitário de Tsukuba, em Ibaraki, perdeu em definitivo o direito de trabalhar na área médica depois de ser julgado culpado pelo assédio sexual a uma estagiária.

Do total de médicos punidos, 29 receberam uma suspensão das atividades profissionais por três anos ou foram apenas advertidos. Segundo o ministério, os crimes cometidos por eles incluem, entre outros, estelionato e porte de drogas. Entretanto, apesar dos crimes, eles poderão exercer a medicina logo após o término do período de punição.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Deixe uma resposta