Tecnologia

Agência espacial japonesa confirma existência de água no asteroide Ryugu

Asteroide Ryugu | Foto: Jaxa

Observações iniciais da missão histórica revelaram que o asteroide, localizado a 300 milhões de km da Terra, tem água em seu interior.

A Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (Jaxa) confirmou a presença de água no asteroide Ryugu, onde a sonda japonesa Hayabusa2 está operando.  O trabalho foi publicado na revista Science e revela surpresas sobre esta pequena rocha espacial que está localizada a cerca de 300 milhões de quilômetros de distância da Terra.

As observações iniciais da missão revelaram que o asteroide se trata de uma pilha de escombros uniformes contendo menos água do que o previsto, em vez de ser uma massa úmida de rochas de formatos diferentes como se imaginava anteriormente.

Ryugu é mais negro do que carvão e se parece bastante com os condritos carbonosos encontrados aqui na Terra — meteoritos raros contendo carbono cuja estrutura interna foi alterada pela ação de calor ou por choques. Ainda, os resultados sugerem que o interior do asteroide contém rochas de mesmo tamanho, potencialmente fragmentos que caíram de um corpo maior durante um impacto.

A baixa densidade da superfície de Ryugu, apenas um pouco mais alta do que a da água ou quase igual à do carvão, sugere que o objeto é uma pilha de entulho espacial poroso, e o material espalhado em sua superfície indica que o asteroide experimentou um período de rápida rotação em seu passado. Além disso, a superfície do objeto está repleta de pedregulhos de tamanhos variados e com cores diversas.

Veja também
» Sonda japonesa pousa no asteroide Ryugu
» Japão testa no espaço inédito projeto de elevador espacial

Os resultados iniciais da missão já estão ajudando os cientistas da Jaxa a escolher um local ideal para a coleta de novas amostras, sendo que a Hayabusa2 trará essa coleta à Terra em 2020. A nave foi lançada em dezembro de 2014 e chegou ao asteroide no ano passado; desde então, já nos enviou imagens incríveis de Ryugu e conseguiu fazer um pouso rápido para coletar uma primeira amostra, quando liberou um projétil na superfície e, então, recolheu os detritos.

Sonda japonesa Hayabusa2 | Foto: Jaxa

Em breve, será lançado um explosivo para abrir uma cratera de onde serão coletadas amostras de rochas internas, que ficam abaixo da superfície, pois a ideia é estudar não somente o que está ao alcance da sonda, como também o interior do objeto.

Estudar Ryugu pode dar insights sobre como minerais são liberados do Cinturão de Asteroides para a Terra, e também pode nos ajudar a entender ainda melhor a história do Sistema Solar e a origem da vida na Terra.

A aventura da nave espacial  Hayabusa2, que em japonês significa “falcão peregrino”, começou em 3 de dezembro de 2014. Ela precisou de três anos e 10 meses para chegar a seu destino. Em junho, o aparelho se estabilizou a 20 quilômetros de Ryugu, asteroide com forma de diamante e que tem 900 metros de diâmetro.

Asteroide Ryugu | Distribuição/Jaxa

O asteroide foi batizado de Ryugu porque, para os japoneses, esse nome tem significados mitológicos, visto que Ryugu é o nome do mítico palácio submarino do Deus do Mar, cujas paredes são feitas de corais.

Hayabusa2, que em japonês significa “falcão peregrino”, permanecerá no entorno do asteroide Ryugu por cerca de um ano e meio antes de retornar à Terra no final de 2020.

MN – Mundo-Nipo
Fontes: Kyodo News |  Gizmodo