Meio ambiente e Energia Variedades

Mudanças climáticas causam floração antecipada de cerejeiras no Japão

©Getty Images

Em Kyoto, o pico da florada de cerejeira aconteceu em 26 de março, data mais antecipada em mil e duzentos anos.

  • 312
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    312
    Shares

A primeira imagem que vem à mente quando pensamos na primavera no Japão é, provavelmente, a famosa flor de cerejeira (sakura, em japonês) – flores brancas e rosa que florescem em cidades e montanhas de todo o Japão.

A florada de cerejeira, que experimenta um “pico de florescimento” que dura apenas sete dias no máximo, é reverenciada no Japão há mais de mil anos. Multidões comemoram com festas de exibição, indo aos locais mais populares para tirar fotos e fazer piqueniques debaixo dos galhos floridos.

As cerejeiras no Parque Kitanomaru, em Tóquio, alcançaram o pico da floração em 23 de março de 2021, quase duas semanas antes do previsto | Foto: Philip FONG / Getty Images

Mas, neste ano, a temporada de flores de cerejeira veio e se foi em um piscar de olhos, em uma das primeiras flores já registradas, enquanto os cientistas alertam que a antecipação da florada dessas belas flores efêmeras pode ser efeito da crise climática que ameaça os ecossistemas em todo o planeta.

Yasuyuki Aono, pesquisador da Universidade da Prefeitura de Osaka, reuniu registros de Kyoto até 812 DC de documentos históricos. Na cidade central de Kyoto, as flores de cerejeira atingiram o pico em 26 de março, o primeiro em mais de 1.200 anos, disse Aono.

Já na capital Tóquio, as flores de cerejeira desabrocharam em 22 de março, a segunda data mais antiga já registrada.

VEJA TAMBÉM
Hanami Matsuri: Festival de contemplação das flores no Japão

“À medida que as temperaturas globais aumentam, as geadas da última primavera estão ocorrendo mais cedo, o que antecipa a floração”, disse o Dr. Lewis Ziska, da Universidade de Columbia Environmental Health Sciences.

As datas de pico de floração mudam a cada ano, dependendo de vários fatores, incluindo clima e precipitação, mas as datas têm mostrado uma tendência geral de se moverem cada vez mais cedo. Em Kyoto, a data de pico oscilou em torno de meados de abril durante séculos, de acordo com os dados de Aono, mas começou a se mover para o início de abril durante o século XIX. A data caiu para o final de março apenas um punhado de vezes na história do país.

“As flores de Sakura são muito sensíveis à temperatura”, disse Aono. “A floração e a plena floração podem ocorrer mais cedo ou mais tarde, dependendo apenas da temperatura”, disse ele. “A temperatura era baixa na década de 1820, mas subiu cerca de 3,5 graus Celsius (6,3 graus Fahrenheit) até hoje”, disse.

Aono  explicou que as estações deste ano, em particular, influenciaram as datas de floração. O inverno foi muito frio, mas a primavera veio rápida e excepcionalmente quente, então “os botões já estão completamente despertos”.

Seu florescimento precoce, no entanto, é apenas a ponta do iceberg de um fenômeno mundial que pode desestabilizar os sistemas naturais e as economias dos países, disse Amos Tai, professor assistente de Ciências da Terra na Universidade Chinesa de Hong Kong.

Existem duas fontes de aumento de calor, que é o principal fator que faz com que as flores desabrochem mais cedo: a urbanização e as mudanças climáticas. Com o aumento da urbanização, as cidades tendem a ficar mais quentes do que a área rural circundante, no que é chamado de efeito de ilha de calor. Mas um motivo maior é a mudança climática, que causou o aumento das temperaturas na região e no mundo.

Essas datas anteriores não são apenas uma questão de turistas lutando para pegar o pico da florada antes que todas as pétalas caiam – elas podem ter um impacto duradouro em ecossistemas inteiros e ameaçar a sobrevivência de muitas espécies.

Ação e reação no meio ambiente

Plantas e insetos dependem muito uns dos outros, e ambos usam pistas ambientais para “regular o tempo de diferentes estágios de seus ciclos de vida”, disse Tai. Por exemplo, as plantas sentem a temperatura ao seu redor e se estiver quente o suficiente para um período consistente, elas começam a florescer e suas folhas começam a emergir. Da mesma forma, os insetos e outros animais dependem da temperatura para seus ciclos de vida, o que significa que um calor mais alto pode causar um crescimento mais rápido.

“A relação entre plantas e insetos e outros organismos se desenvolveu ao longo de muitos anos – milhares a milhões de anos”, disse Tai. “Mas no século recente, a mudança climática está realmente destruindo tudo e perturbando todas essas relações”, completou.

Na última década, algumas populações de plantas e animais já começaram a mudar para “altitudes mais altas” e “latitudes mais altas” para escapar dos efeitos da mudança climática, de acordo com um estudo de 2009 na Biological Conservation. Mas está se tornando mais difícil para os ecossistemas se adaptarem, com as mudanças climáticas tornando o clima cada vez mais imprevisível. Embora a tendência das datas de floração seja geralmente mais precoce, o clima inesperado e extremo significa que ainda há uma grande variabilidade ano a ano.

“Os ecossistemas não estão acostumados a esses tipos de grandes flutuações, isso lhes causa muito estresse”, disse Tai. “A produtividade pode ser reduzida e os ecossistemas podem até entrar em colapso no futuro”.

Antecipação da floração de cerejeiras em outros países

A mudança nas datas de floração deste ano não se limita apenas ao Japão; as flores de cerejeira que adornam a Tidal Basin, em Washington, D.C., também floresceram mais cedo. De acordo com o National Park Service , a data de pico de floração das cerejeiras em Washington avançou quase uma semana, de 5 de abril para  31 de março.

Os efeitos da mudança climática não se limitam apenas às flores de cerejeira. “As flores de cerejeira chamam a atenção, as pessoas adoram apreciá-las, mas muitas outras plantas também estão passando por mudanças em seu ciclo de vida e podem ter uma influência ainda mais forte sobre a estabilidade de seus ecossistemas “, disse Tai.

Da CNN Travel / Tradução e edição do Mundo-Nipo.

  • 312
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    312
    Shares