Variedades

Japão se candidata como sede da Exposição Universal de 2025

Cidade de Osaka (Foto: POOL/Governo de Osaka)

Japão lançou a candidatura para que Osaka organize a disputadíssima ‘World Expo 2025’.

O Japão apresentou nesta segunda-feira (24) sua candidatura para que a cidade de Osaka organize a Exposição Universal de 2025, para a qual a França também se apresentou, anunciou o Escritório Internacional de Exposições (BIE), com sede em Paris.

A candidatura do Japão para Osaka tem como tema “Conceber a sociedade do futuro, imaginar nossa vida amanhã”, para uma exposição que ocorrerá de 3 de maio a 3 de novembro de 2025, indicou em um comunicado.

A França apresentou sua candidatura em 22 de novembro para organizar este evento na região parisiense com o tema “O conhecimento para compartilhar, o planeta para proteger”.

A lista de cidades candidatas encerrará às 16H00 GMT (13H00 de Brasília) de 22 de maio, e a votação dos 168 Estados-membros do BIE será feita em novembro de 2018.

“Esperamos com interesse a fase de avaliação dos projetos, que nos permitirá conhecer mais sobre a visão de cada candidato”, declarou o secretário-geral do BIE, o espanhol Vicente G. Loscertales.

A última Exposição Universal foi realizada em 2015, em Milão, e atraiu 21 milhões de visitantes. A próxima será em Dubai, de 20 de outubro de 2020 até 10 de abril de 2021.

Gastos com o evento
Em setembro de 2016, quando a cidade de Osaka propôs sediar a Expo 2015, estimou que poderia acolher cerca de 30 milhões de visitantes. Mas, para tanto, calculou custos entre 120 e 130 bilhões de ienes com a construção das instalações e mais 74 bilhões de ienes para executar o plano.

O Executivo também estimou que seriam necessários mais 78 bilhões de ienes para expandir o metrô de Osaka, ampliar estradas, pontes e preparar a área (terreno) para receber as instalações.

Apesar dos altos custos, a prefeitura acredita em um grande retorno, prevendo que o impulso indireto para a economia poderia gerar 4 trilhões de ienes à cidade e, consequentemente, a economia do país.

Fontes: Agência AFP | Agência Kyodo.

Comentários