Heróis e Guerreiros

Ninjas: entre a ficção e a realidade

Foto: Reprodução | Ninja Warrior

Na vida real, ninjas são bem diferentes das figuras místicas que realizam façanhas improváveis e sobrenaturais retratadas em romances e filmes.

Atualizado em 22/09/2019

No Japão feudal, ninjas eram indivíduos parte de um grupo altamente treinado e mortal, caracterizado principalmente por suas habilidades furtivas. Contudo, na vida real, os ninjas são bastante diferentes das figuras místicas que realizam façanhas improváveis e sobrenaturais retratadas em romances e filmes.

Muitas pessoas na atualidade gostam de se vestir de preto, usando capuz e máscara, arremessando “shurikens” e desaparecendo teatralmente após atirar uma bomba de fumaça.

Alguns itens/armas ninja | Foto: Governo de Kanazawa

No entanto, de acordo com o Asahi Shimbun, especialistas dizem que este estereótipo se popularizou através de filmes e mangás com base em histórias heroicas contadas em livros  de guerra da Era Meiji (1868-1912) e Era Taisho (1912-1926).

Templo Ninja Myoryuji, em Kanazawa | Foto: Governo de Kanazawa

“Ninja são chamados como tal, precisamente porque viveram furtivamente”, disse Michifumi Isoda, professor da Universidade de Shizuoka de Arte e Cultura, um dos pouquíssimos historiadores que estudam ninja.

Formação ninja em Iga e Koka

Iga, na atual província de Mie, e Koka, agora parte da província de Shiga, são as áreas mais famosas pela formação de ninja. O Igans e Kokans foram empregados não só pelo governo xogunato (shogunato) central, mas também pelos governos de domínios em todo o Japão feudal.

Isoda, porém, rejeitou a definição de ficção popular, que muitas vezes coloca os Igans contra os Kokans como grupos concorrentes.

“As duas áreas se enfrentaram em um limite provincial”, disse o historiador. “Ninjas das duas áreas aparentemente mantinham intercâmbios tecnológicos e laços conjugais”.

“Buke Myomokusho” uma enciclopédia samurai compilada pelo shogunato Tokugawa do período Edo, fala sobre missões ninjas que incluem infiltrações em outras províncias feudais para reunir informações e cometer incêndios criminosos, bem como outras formas de ataques surpresa em castelos inimigos e assassinatos.

Os ninjas também dominaram a técnica de armas de fogo, com alguns servindo como atiradores de elite no campo de batalha.

Mas as missões ninjas tornaram-se menos heróicas após a morte do clã Toyotomi, terminando em uma era de guerras no início do século XVII. O governo central do shogunato, logo após, atribuiu ninjas a partir de Iga e Koka para servirem como guardiões do Castelo Edo, na atual Tóquio.

Isoda está estudando ninjas Iga que foram empregados pelo domínio Okayama. Suas principais missões incluíam guardar o senhor feudal durante seus deslocamentos obrigatórios, prevenção de incêndios no castelo e transportar a família em segurança durante desastres.

Acredita-se que a imagem sobre-humana dos ninjas, muito longe da natureza heróica de suas vidas reais, tenha se originado a partir de “Bansenshukai”, um livro escrito em 1676 sobre regras, táticas e utensílios da profissão furtiva.

Durante o período de guerra dos séculos XV e XVI, os ninjas levaram vidas duplas de agricultores e guerreiros, além de trabalharem em fazendas em tempo de paz.

Em 1788, descendentes de ninjas em Koka receberam permissão para servir em funções públicas na qualidade de guerreiros.  Pouco tempo depois, “Bansenshukai” e outros livros sobre a arte ninja foram criados para testemunhar as façanhas de seus antepassados.

Kunai original | Foto: Asian W.

Shuriken original | Foto: Governo de Kanazawa

MN – Mundo-Nipo.com
Fonte principal: Asahi Shimbun.