Esportes

5 atletas japoneses que são modelos de inspiração

©Mundo-Nipo

A representatividade dos atletas japoneses, aliada às suas lutas, fazem deles fonte de inspiração para outros esportistas.

O Japão carrega muitas glórias, fazendo grandes participações em torneios mundiais. A representatividade desses atletas, aliada às suas lutas, fazem deles fonte de inspiração para outros esportistas.

Selecionamos cinco atletas inspiradores. Veja avaixo:

Yuzuru Hanyu
Foto: Arquivo/Getty Free

Yuzuru Hanyu começou a patinar aos 4 anos de idade e aos 10 já começou a competir, ganhando sua primeira medalha de ouro na patinação artística. A estreia internacional, no entanto, só viria em 2010, quando foi o primeiro no Campeonato Mundial Júnior de Patinação Artística no Gelo. 

Aos 18 já fazia parte de equipes adultas e acumulou o recorde de 17 títulos em competições internacionais. Um dos mais importantes, sem dúvida, foi a medalha dos Jogos de Inverno de 2014, na Rússia. Na ocasião ele tornou-se o primeiro asiático a ganhar a subir ao pódio. Outro grande título foi o bicampeonato na Olimpíada de Inverno de 2018.  

Um dos fatores que mais chama a atenção é, além de sua simpatia, seu caráter filantrópico. Hanyu foi um dos responsáveis por angariar recursos para as vítimas do terremoto de 2011, o que só reforçou o porquê de ser um dos atletas mais amados do Japão.

Rikako Ikee
Rikako Ikee | Foto: Arquivo/Getty

Rikako Ikee mostrou nos últimos tempos uma coragem sem igual, ao conseguir superar a leucemia e se classificar para Tóquio. A nadadora de 20 anos ganhou 6 ouros e 2 pratas nos Jogos Asiáticos, e já era tida como uma das grandes esperanças para os jogos olímpicos. 

Porém, em 2019 descobriu que estava com leucemia quando passou mal em um treino e iniciou imediatamente o tratamento. Naquela época Ikee não sabia, mas além de uma das mais jovens nadadoras também se tornaria um símbolo de coragem e resiliência para o país. 

Ela conseguiu se classificar para as Olimpíadas de Tóquio após cravar 57,77 segundos nos 100 metros borboleta. Na ocasião a atleta declarou aos prantos que não esperava ganhar a prova, apesar de ter treinado muito.

Eu pensava que não seria capaz de vencer. Mas treinei forte para isso. No fim das contas, vim para esta prova dizendo a mim mesma que estava de volta. Então sinto que, mesmo que você passe por sofrimento e dor, o trabalho duro será sempre recompensado.”

Naoya Kihara
Naoya Kihara | Foto: Arquivo / itmedia.co.jp

Por enquanto o poker não está entre os esportes que serão disputados nas próximas olimpíadas, mas caminha para se tornar um esporte olímpico no futuro, se depender das associações internacionais. Jogado por pessoas de todo o mundo, o esporte da mente também é um dos jogos de cartas mais famosos do Japão, onde possui vários jogadores de renome.

Naoya Kihara foi o primeiro a ganhar o bracelete da WSOP em 2012. Mas atualmente o nome que chama a atenção é o de Shoma Ishikawa, que repetiu o feito em 2020, levando para casa o bracelete e US$117.650,43 após disputa com jogadores de todo o mundo.

Ishikawa, também conhecido como “pp_syon”, começou sua carreira em 2019 e desde então acumulou diversos prêmios em eventos ao vivo e online e que, embora sigam as mesmas regras, possuem características que os diferenciam. Sua dedicação ao esporte só mostra que ele é um dos principais nomes do esporte no país e com chances reais de fazer parte da seleção japonesa em uma olimpíada futura.

Shohei Ohtani
Shohei Ohtani | Foto: Distribuição / Los Angeles

O Japão não é forte somente nos esportes individuais, mas também nos coletivos. Um dos mais apreciados é o beisebol. E nesse esporte um dos grandes nomes é Shohei Ohtani, da província de Iwate. Com um talento ímpar, Ohtani é capaz tanto de arremessar quando rebater com igual competência, o que é bem raro de ser visto.

O jovem de 26 anos defende o Los Angeles Angels, da Califórnia, sendo um dos grandes nomes do elenco. Ohtani chamou tanto a atenção que, antes de assinar com o time da Califórnia, estava sendo cobiçado por outras equipes norte-americanas como o Texas Rangers, Seattle Mariners e Chicago Cubs. Com isso, ele se tornou parte do seleto grupo de japoneses que jogam na liga americana.

Mas antes de se mudar para os Estados Unidos e ganhar e ver seu salário aumentar consideravelmente, Ohtani mostrou seu talento ao se tornar campeão da Japan Series em 2016, enquanto defendia o Hokkaido Nippon Ham Fighters. Na ocasião foi eleito o MVP da temporada.

Kohei Uchimura
Kōhei Uchimura na Rio2016 | Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

Kohei Uchimura sem sombra de dúvidas é um dos nomes mais reconhecidos da ginástica artística mundial, considerado por muitos o melhor ginasta masculino de todos os tempos. Aos 32 anos ele acumula sete medalhas olímpicas, ganhando o campeonato mundial por incríveis seis vezes.

Nos últimos tempos, o atleta vem passando por alguns problemas de saúde que incluem lesões nos ombros que acarretaram sua saída das competições nas argolas. Além disso, em novembro do ano passado, foi diagnosticado com Covid-19, mas já se recuperou completamente.  

O atleta começou cedo, aos três anos de idade, e em 2007 passou a integrar a equipe principal do Japão. A primeira medalha olímpica veio em Pequim, quando ganhou uma prova coletiva, mas logo viriam outras medalhas como o ouro nas Olimpíadas do Rio 2016.

Nas Olimpíadas de Tóquio 2021, Kohei não estará competindo pelo bicampeonato, e se concentrará apenas na competição de barra fixa.

Mesmo com tantos problemas de saúde, o ginasta japonês continua sendo um dos nomes mais esperados nos pódios de todos os campeonatos e torneios de ginástica artística pelo mundo.

Por Alana Moreira / Mundo-Nipo (MN)