Meteorologia Notícias

Japão segue com buscas por desaparecidos em mega deslizamento

Deslizamento em Atami | ©Kyodo

Mais de 60 pessoas estão desaparecidas e 4 foram confirmadas mortas dois dias após deslizamento em Shizuoka.

Equipes de resgate continuaram sua busca por sobreviventes dois dias depois que um grande deslizamento de terra em uma cidade turística de águas termais a sudoeste de Tóquio matou pelo menos quatro pessoas e destruiu cerca de 130 residências enquanto 64 pessoas estão desaparecidas.

Bombeiros, policiais e membros das Forças de Autodefesa, somando aproximadamente 1.500 profissionais, continuam a remover escombros e vasculhar residências inundadas de lama em Atami, na província de Shizuoka, já que as primeiras 72 horas após o incidente, considerado um período crucial para encontrar sobreviventes, se aproximavam.

Na segunda-feira, a equipe de resgate encontrou três pessoas que estavam desaparecidas, uma das quais foi confirmada como morta, disse o governo da cidade. Os dois restantes não estavam em condições de risco de morte.

A princípio, o número de desaparecidos estava situado em cerca de 120. Agora, o município continua seus esforços para localizar 64 pessoas cujo paradeiro ainda é desconhecido com base no cadastro básico de residentes local. O número pode incluir aqueles que já haviam se mudado da cidade antes do desastre, mas estão na lista de residentes.

O governo da cidade identificou um dos quatro mortos como sendo Chiyose Suzuki, de 82 anos, mas as outras três vítimas, incluindo duas mulheres, ainda não foram identificadas.

Equipes de resgate formada por bombeiros, policiais e militares se revezam 24 horas por dia nas buscas por sobreviventes no deslizamento de terra em Atami | ©Kyodo

O filho mais velho de Suzuki, Hitoshi, de 56 anos, disse à Kyodo News que lamentava não ter tirado a mãe de casa quando foram instados pela polícia a evacuar a área.

Em Tóquio, a Agência da Casa Imperial disse que o imperador Naruhito e a imperatriz Masako estão profundamente angustiados com as mortes e pessoas que permanecem desaparecidas na área atingida pelo deslizamento de terra.

O primeiro-ministro Yoshihide Suga disse a repórteres na capital que as equipes de resgate continuarão procurando aqueles que se acredita estarem enterrados na lama.

Pela manhã, Suga instruiu os membros de seu gabinete a “salvar o máximo de vidas possível e a apoiar as vítimas” em uma reunião da força-tarefa de gerenciamento de desastres.

O principal porta-voz do governo, Katsunobu Kato, disse que o Estado se unirá a especialistas e ao governo da província de Shizuoka para verificar se o enorme deslizamento de terra foi agravado por cerca de 54.000 metros cúbicos de solo que foram acumulados na montanha.

Responsável pelo deslizamento

O governo da cidade disse que a ex-proprietária da terra, uma empresa imobiliária com sede em Kanagawa, remexeu o solo no local em 2007. As autoridades locais suspeitam que cerca de 100.000 metros cúbicos de solo, incluindo o solo acumulado, desabou em um rio próximo por volta das 10h30 locais de sábado, e percorreu uma distância de cerca de 2 quilômetros.

O governador de Shizuoka, Heita Kawakatsu, inspecionou a área afetada pelo desastre e disse aos repórteres: “Devido ao acúmulo de chuva prolongada, o solo (deixado pela empresa) e os sedimentos foram lavados e exacerbaram os danos”.

Embora o solo acumulado seja geralmente mais solto do que os montes formados naturalmente, Michiya Irasawa, professora de controle da erosão na Universidade de Iwate, disse que esse solo geralmente permaneceria no lugar se compactado com maquinário pesado.

“Suspeito que um grande volume de água fluiu para dentro do monte e enfraqueceu sua retenção”, disse ele.

Norifumi Hotta, professor associado de engenharia de controle de erosão da Universidade de Tóquio, disse que o colapso do solo acumulado pode ter causado o deslizamento.

Chuvas e risco de novos deslizamentos

O governo local fechou 11 escolas primárias e secundárias e quatro jardins de infância na segunda-feira, pois os avisos contra chuvas fortes e deslizamentos de terra continuaram em vigor.

Na plataforma de mídia social Twitter, as pessoas postaram nomes, idades, descrições e fotos de parentes desaparecidos.

Entre os que procuram seus parentes está Koichi Tanaka, de 71 anos, cuja esposa Michiko, de 70 anos, desapareceu depois que Tanaka a deixou em casa após sair para socorrer uma amiga.

Um órgão local ligado ao Conselho Nacional de Bem-Estar Social do Japão iniciou a inscrição de voluntários na segunda-feira, mas contratando apenas trabalhadores de dentro da prefeitura como medida contra o coronavírus.

O início do voluntariado deverá ser adiado por enquanto devido ao temor de novos deslizamentos.

KyodoNews

== Mundo-Nipo (MN)