Automóveis Notícias

Toyota anuncia normalização da produção no Japão

©Aflo Images

As 14 fábricas da Toyota no Japão normalizarão pela primeira vez em sete meses, com previsão de produção recorde em dezembro.

A Toyota anunciou que todas as 28 linhas de produção em suas 14 fábricas no Japão voltarão ao normal pela primeira vez em sete meses. Com a normalização, que ocorre em razão do alívio da crise de oferta de peças, a produção global da maior montadora do mundo está estimada em 800.000 veículos em dezembro, um recorde para o mês.

A previsão de produção de cerca de 300.000 unidades no Japão e 500.000 unidades no exterior é maior que os 760.000 veículos fabricados em dezembro do ano passado.

A produção da montadora japonesa foi afetada pela escassez de peças no sudeste da Ásia causada pela Covid-19. Agora, com o alívio da pandemia nessa região, os fornecedores locais estão normalizando o abastecimento global de autopeças. 

Apesar da normalização, a Toyota manteve seu plano de produzir 9 milhões de veículos globalmente no ano comercial, que se encerra em 31 de março.

“Continuaremos com os esforços para fortalecer nossa cadeia de suprimentos com nossos fornecedores e faremos tudo que pudermos para garantir que entreguemos o máximo de carros aos nossos clientes o mais rápido possível”, disse a Toyota em um comunicado à imprensa nesta sexta-feira (12).

A montadora também espera uma produção recorde de 850.000 a 900.000 unidades em novembro. Para este mês, a Toyota disse que sua produção global cairia em até 150.000 unidades de seu plano inicial de cerca de 1 milhão.

Muitas montadoras foram duramente atingidas pela crise global no fornecimento de semicondutores e pela escassez de outras peças causada pela pandemia.

A montadora japonesa foi forçada a cortar drasticamente a produção, especialmente em setembro, quando sua produção mundial caiu 39% em relação ao ano anterior, enquanto a do Japão despencou 55%.

Sua produção global em outubro também deve ser cerca de 30% menor do que no ano anterior.

== Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Kyodo