Economia Notícias

Desemprego no Japão continua em ritmo de queda, apesar de Covid

©Shihoko Nakaoka

A queda do desemprego no mercado de trabalho japonês ocorre desde outubro, mesmo o país sob estado de emergência.

A taxa de desemprego no Japão ficou em 2,9% em janeiro, em comparação com 3,0% em dezembro, informou o Bureau de Estatísticas na terça-feira, com fortes gastos do governo sustentando a economia em meio a um estado de emergência por coronavírus imposto desde o início do ano, informou o jornal financeiro Nikkei Asia.

A queda constante na taxa de desemprego no país desde 3,1% em outubro ocorre apesar do estado de emergência em razão da Covid-19 imposto em 7 de janeiro. O ganho foi impulsionado por uma recuperação no setor de saúde – um dos maiores empregadores do país junto com o varejo – já que as pessoas lotaram hospitais e enfermarias em meio a preocupações com a pandemia.

Os empregos no setor manufatureiro também se recuperaram da recessão do verão, impulsionados pelas fortes exportações de carros para os EUA e máquinas para a China.

O mercado de trabalho relativamente estável tem sido um destaque para a economia japonesa, que cresceu 5,3% e 3,0%, respectivamente, nos últimos dois trimestres.

A taxa de desemprego no Japão aumentou para uma média de 2,8% em 2020 ante 2,4% em 2019.

As perdas de empregos têm se concentrado em trabalhadores não regulares e em negócios de lazer e entretenimento, tal como no setor de serviços, como hotéis e restaurantes.

O desemprego também se concentra na faixa etária de 15 a 24 anos, que apresenta uma taxa de desemprego de 5,8%. “As empresas estão focadas em proteger os empregos existentes e não têm recursos para novas contratações, o que tem prejudicado os jovens que procuram emprego”, disse Takuya Hoshino, economista do Dai-ichi Life Research Institute.

Para compensar os efeitos da pandemia, o governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga aprovou três orçamentos extras, no valor de 72% do orçamento original para o ano fiscal encerrado neste mês. Além disso, os bancos de apólices forneceram empréstimos a juros zero para empresas com problemas de caixa, enquanto o governo forneceu garantias para esses empréstimos.

É amplamente esperado que a recuperação continue, embora haja perspectiva de um revés para o trimestre janeiro-março devido à declaração de estado de emergência para Tóquio e outras regiões metropolitanas desde 8 de janeiro. Bares e restaurantes têm que fechar diariamente às 20h. O governo também aconselhou as pessoas a trabalhar de casa e evitar passeios não essenciais.

Espera-se que o estado de emergência seja totalmente suspenso em 7 de março, com o governo na expectativa que tal medida normalize a atividade econômica, mas há o risco de remover as medidas de estímulo muito cedo, como subsídios para proteção ao emprego. 

“As medidas políticas do governo têm sido muito eficazes para minimizar os danos da pandemia”, disse Hoshino. “Isso significa que a economia deve sofrer quando as medidas de estímulo forem retiradas. Se o apoio fiscal precisar ser reduzido, isso deve ser feito gradualmente”, disse.

O Grupo dos Sete países Industrializados (G7) afirmou no mês passado que este não é o momento de retirar o apoio fiscal. A Câmara dos Deputados dos EUA também aprovou um pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão no sábado para fortalecer sua economia.

Disponibilidade de empregos

Dados separados do Ministério do Trabalho mostraram que a disponibilidade de empregos no mês do relatório melhorou para 1,10 de 1,06 no mês anterior, marcando sete meses consecutivos de crescimento..

A proporção significa que havia 110 vagas de emprego para cada 100 candidatos, de acordo com o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão.

Durante a crise de crédito de 2007-2008 provocada pelo colapso do banco Lehman Brothers, o indicador de disponibilidade de empregos caiu para 0,42 e a taxa de desemprego disparou para 5,5%.

== Mundo-Nipo (MN)