Economia Notícias

Energia e alimentos elevam inflação no Japão ao maior nível em 2 anos

Funcionaria arrumando prateleiras de supermercado em Toquio Foto Hiroshi Endo 900x550 2
©Hiroshi Endo

Preço da energia elétrica saltou 21,6%, enquanto produtores de alimentos anunciaram aumentos de preços ainda neste mês de abril.

A inflação no Japão atingiu a maior alta de 26 meses em março, à medida que mais empresas repassam os custos crescentes de matérias-primas e energia para os consumidores, de acordo com dados oficiais divulgados na sexta-feira pelo governo do país, informou o jornal financeiro Nikkei.

O núcleo do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que inclui derivados de petróleo, mas exclui os preços voláteis dos alimentos frescos, subiu 0,8% em março na comparação com o mesmo mês do ano anterior, marcando o aumento mais acentuado desde janeiro de 2020. A taxa de inflação de janeiro foi de 0,2% e a de fevereiro ficou em 0,6%.

As tarifas de comunicação móvel caíram 52,7%, um efeito da introdução de planos de baixo custo pelas principais operadoras japonesas em abril passado. Excluindo o impacto desse declínio, a taxa de inflação foi de cerca de 2,2% em março – um nível acima da meta de estabilidade de preços de 2% desejada pelo Banco do Japão (BOJ, o banco central japonês).

Alta dos preços de energia elétrica e alimentos

Em março, o preço da energia elétrica subiu 21,6%, enquanto o custo do óleo de cozinha aumentou 34,7%.

“As contas de eletricidade e de gás [itens na categoria de energia] levaram a uma alta de 0,05 ponto no aumento geral”, em comparação com o mês anterior, observou o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações em um comunicado à imprensa.

As taxas de inflação do Japão podem aumentar ainda mais a partir de abril devido à remoção do impacto das taxas de comunicações móveis mais baixas, preços de energia mais altos decorrentes do conflito Rússia-Ucrânia e o enfraquecimento do iene.

Alguns grandes produtores de alimentos anunciaram aumentos de preços nesta semana, citando custos mais altos de matérias-primas, remessa e embalagem.

Desvalorização do iene e salário baixo

Os dados mais recentes de preços ao consumidor vêm quando a moeda japonesa caiu ao ritmo mais forte em 20 anos, para 129 ienes em relação ao dólar nesta semana, o que aumenta as pressões inflacionárias sobre itens que o Japão depende fortemente de importações.

Enquanto isso, a velocidade dos aumentos salariais é lenta. De acordo com dados compilados em 14 de abril pela Confederação Sindical Japonesa, o maior sindicato sindical do país, a taxa de aumento salarial puro das empresas japonesas para 2022 foi de 0,62% em média.

“As empresas não aumentam os salários só porque o iene enfraqueceu. Elas estão receosas de que o iene possa voltar a ser valorizado no futuro”, apontou o Instituto de Pesquisa do Japão “Dai-ichi Life” em um relatório na semana passada. “É por isso que a sociedade como um todo não sente os benefícios de um iene fraco”, disseram.

Pacote de apoio às famílias

Nesse cenário, o primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, deve anunciar as medidas do governo contra a inflação ainda este mês, que devem incluir pacotes de apoio para famílias de baixa renda.

O BOJ realizará uma reunião de política monetária de 27 a 28 de abril, onde a postura do banco central em relação à inflação e ao enfraquecimento do iene será monitorada de perto.

== Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Nikkei Asia.

(Visited 1 times, 1 visits today)