Notícias

Investimento empresarial no Japão cresce pelo 11º trimestre seguido

©Stockvault

A alta dos investimentos foi liderada por empresas do setor de serviços, enquanto os gastos das fabricas caíram pela primeira vez em 2 anos.

As empresas no Japão aumentaram os gastos com instalações e equipamentos entre abril e junho, marcando o 11º trimestre consecutivo de crescimento, com investimentos liderados pelo setor de serviços.

Divulgados nesta segunda-feira (2), dados do Ministério das Finanças mostraram que as empresas japonesas aumentaram os gastos de capital em 1,9% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior. Em uma base ajustada sazonalmente, as despesas de capital cresceram 1,5% em relação ao trimestre anterior.

Por outro lado, os gastos com a manufatura caíram pela primeira vez em dois anos, ressaltando que a guerra comercial sino-americana e a desaceleração do crescimento global estão afetando a atividade industrial japonesa.

Alguns analistas dizem que os dados, que serão usados ​​para calcular os números revisados ​​do Produto Interno Bruto (PIB) do Japão, apontam para uma leve revisão em baixa da economia japonesa.

“À medida que a incerteza sobre a economia global aumenta ainda mais devido à intensificação da guerra comercial entre EUA e China, as empresas japonesas provavelmente deixarão de aumentar o investimento operacional a partir de agora”, disse Toru Suehiro, economista sênior da Mizuho Securities.

A guerra tarifária entre Estados Unidos e China agora envolve centenas de bilhões de dólares em mercadorias de cada país e ameaça o crescimento econômico global.

Nesta semana, ambos os lados impuseram novas tarifas, embora Washington afirme que as negociações comerciais serão retomadas ainda este mês.

No Japão, um aumento programado do imposto sobre vendas dos atuais 8% para 10% em outubro poderia prejudicar o consumo privado, que constitui cerca de 60% da terceira maior economia do mundo, o que aumenta ainda mais as incertezas do mercado global.

O aumento de impostos em 2014, de 5% para 8% em abril, foi um golpe para os consumidores e desencadeou uma profunda desaceleração em uma economia mais ampla.

Apesar disso, as despesas de capital têm sido um ponto positivo na economia japonesa.

As empresas estão reformando equipamentos antigos e aumentando o investimento em automação e tecnologia para lidar com a escassez de mão-de-obra em uma sociedade cada vez mais envelhecida, embora os fabricantes estejam cada vez mais cautelosos em aumentar os gastos de capital.

O investimento operacional das fábricas caiu 6,9% na base anual, enquanto os gastos das empresas não-fabricantes aumentaram 7,0%, liderados por imóveis e leasing de mercadorias.

Os dados também mostraram que os lucros recorrentes das empresas caíram 12,0% no trimestre de abril a junho em relação mesmo período do ano anterior.

As vendas subiram 0,4%, para o décimo primeiro trimestre consecutivo de avanço, mas desaceleraram acentuadamente em relação ao ganho de 3,0% do período anterior.

Também divulgada nesta segunda-feira, uma pesquisa revisada mostrou que a atividade manufatureira japonesa caiu pelo quarto mês consecutivo em agosto.

Uma leitura preliminar divulgada no mês passado mostrou que a economia do Japão expandiu 1,8% no trimestre de abril-junho, favorecida por gastos sólidos das famílias e das empresas, que compensaram a fraqueza nas exportações devido aos atritos comerciais e à fraca demanda externa.

MN – Mundo-Nipo.com
Fonte: Asian Nikkei.